Quem levantou a ponta do véu foi a publicação alemã Auto Motor und Sport (AMS), a que a Reuters deu eco, relatando uma chuva de mudanças no seio do Grupo Volkswagen, a nível dos executivos de topo. Herbert Diess, que até aqui acumulava o cargo de CEO do grupo com a direcção da marca Volkswagen, passa a concentrar-se exclusivamente na gestão do consórcio germânico. Deixa vaga a liderança da principal marca do grupo, a Volkswagen, lugar que será assumido por Oliver Blume, até aqui CEO da Porsche.

Segundo as fontes da AMS, que a revista não identifica, Blume terá como missão prioritária ajudar na resolução dos problemas de software que afectam o VW ID.3 e o novo Golf. De recordar que a Porsche, que Blume dirigia, foi acusada pelo ex-CEO da Audi, Bram Schot, de não ter feito um trabalho exemplar no desenvolvimento da plataforma PPE, a usar pelos veículos eléctricos de luxo do grupo, informação que foi veiculada por outra publicação alemã, a Manager Magazin.

Tesla provoca crise na Porsche e Audi. E atrasos…

Tradicionalmente, a Volkswagen é dirigida pelo mesmo executivo que é também CEO do grupo, como acontecia até aqui com Diess, uma vez que a dimensão e peso da marca principal do consórcio são determinantes para a viabilidade das restantes marcas. Basta lembrar, por exemplo, que a Volkswagen produziu e suportou o desenvolvimento de modelos como o Phaeton, para que as ditas marcas de luxo não tivessem de realizar tão pesado investimento, o mesmo tendo acontecido com o Touareg. Em termos práticos, é o facto de a VW pagar a conta que permite a marcas como a Porsche e a Lamborghini serem tão rentáveis.

Para o lugar de CEO da Porsche vai Bernhard Maier, até aqui responsável pela Skoda, no que será um regresso a casa para o executivo alemão. Recorda a AMS que Maier, antes de dirigir a Skoda, desempenhou o papel de director de vendas da Porsche.

Menos boas são as notícias para o director de marketing da Volkswagen, Jochen Sengpiehl, que estará de saída do grupo. De acordo com a publicação alemã, Sengpiehl, que recentemente foi criticado por ter aprovado um anúncio da marca no Instagram, acusado de ser racista, vai ser obrigado a sair.