“Dentro da teia de mentiras de Kylie Jenner” foi o título que apanhou o mundo desprevenido. Dois mundos, aliás –o das influenciadoras digitais mais poderosas do mundo e o da própria indústria da cosmética. Depois do brilharete na capa de edição norte-americana da Forbes, em julho de 2018, a mesma revista, uma autoridade inquestionável no que aos rankings de sucesso e riqueza diz respeito, considerou-a a mais jovem bilionária com uma fortuna própria. Título que acabou por lhe retirar na última sexta-feira.

“Os negócios de Kylie são significativamente menores e menos lucrativos do que a família levou a indústria da cosmética e a imprensa a acreditar, durante anos”, declarou a Forbes, que há menos de um ano aclamava este precoce caso de sucesso. A publicação acusa Jenner, atualmente com 22 anos, de inflacionar as receitas da Kylie Cosmetics e estende as acusações à mãe e empresária Kris Jenner, pondo em causa a veracidade de alguns documentos.

Capa da Forbes, em julho de 2018

“Ninguém está mais preocupado em fazer contas ao dinheiro que fazem do que a própria família, que durante anos tentou, junto da Forbes, chegar às posições mais altas das nossas listas anuais de riqueza”, escreveu ainda a revista. Agora, a chave para desmontar o aparente sucesso de Kylie Jenner nos negócios surgiu através da Coty.

Em novembro do ano passado, este gigante da cosmética, com receitas no valor 8,6 mil milhões de dólares, anunciou a compra de uma fatia maioritária da marca criada pela jovem empresária em 2015, 51% mais precisamente. O negócio foi fechado por 600 milhões de dólares o que automaticamente avaliou a Kylie Cosmetics em cerca de 1,2 mil milhões de dólares.

Rumo ao topo da tabela da Forbes, a fortuna nunca parou de aumentar — avaliada em 800 milhões de dólares em 2017 e em 900 milhões no ano seguinte, altura em que é declarada a “Rainha da Cosmética” na capa da revista e sobe à 27ª posição na lista das mais ricas. Em 2019, ganharia oficialmente o título de bilionária.

“A verdade surgiu nas letras pequeninas do contrato”, referiu agora a Forbes. “As atitudes suspeitas que as Jenners estavam dispostas a tomar — incluindo convidar a Forbes para as suas mansões e para os escritórios do seu revisor oficial de contas e até criar declarações de impostos que provavelmente foram falsificadas — revelam como alguns super ricos estão desesperados para parecerem ainda mais ricos”, declarou a publicação.

As contas de Kris e Kylie Jenner

Uma rápida passagem pelas contas da empresa, aquando a venda dos primeiros batons vendidos — 400 milhões de dólares em receitas ao fim dos primeiros 18 meses do negócio. Pela mão da própria Kris Jenner, a Forbes afirmou agora ter tido acesso a declarações de impostos que atestavam 307 milhões de dólares, só em 2016, dos quais 110 milhões representavam ganhos pessoais de Kylie. Após confrontar alguns analistas sobre os resultados galopantes da marca, a revista chegou a uma estimativa bem mais realista e fixou com ganhos totais de Kylie Jenner nos 41 milhões de dólares nesse ano. A cifra deixou-a na posição 59 das mais ricas, o que terá frustrado a matriarca.

Sempre houve empresas e analistas a legitimar os resultados. Em 2018, as receitas anuais tinha ascendido até aos 400 milhões de dólares e um relatório da Oppenheimer chegou mesmo a prever receitas de 700 milhões para 2020. Mas os registos entretanto divulgados pela Coty mostram números bastante diferentes, nomeadamente os 177 milhões de dólares em receitas referentes aos 12 meses anteriores à compra de metade da empresa, em novembro do ano passado.

Beauty Company Coty Buys Majority Stake In Kylie Cosmetics For $600 Million

© David Dee Delgado/Getty Images

Na mesma apresentação, a Coty deu conta de uma aumento de 40% das vendas face a 2018, ou seja, nesse ano, a marca tinha gerado 125 milhões de dólares, valor bem abaixo dos 360 milhões comunicados à Forbes. Outra incongruência: a linha de cuidados para a pele, lançada em maio de 2019, teria faturado 100 milhões no primeiro mês, mas na verdade estava prestes a fechar o ano com 25 milhões em vendas. Basicamente, os números reais deitaram por terra todas as cifras anteriormente comunicadas por Kylie e pela sua empresária, Kris Jenner.

Há quem aponte uma quebra abrupta nas vendas da Kylie Cosmetics entre 2016 e 2018, superior a 50%. Ainda assim, especialistas defendem que um negócio tão promissor nunca poderia colapsar tão rapidamente. O que a Forbes aponta como cenário mais provável é que as Jenners tenham mentido sobre os números desde 2016, admitindo mesmo que o seu revisor de contas possa ter elaborado declarações fiscais com números falsos para inflacionar o património líquido da jovem com pretensões a bilionária. Contudo, a publicação não tem como atestar que os documentos exibidos eram falsos.

Paralelamente, Kylie sempre foi apresentada como a única proprietária da marca. Contudo, o contrato assinado com a Coty faz referência a uma segunda pessoa com participação nos lucros da marca. Após a venda, o documento diz que esta obteria parte do capital da empresa. A Forbes presume que a pessoa em questão seja Kris Jenner. A ser verdade, depois de ter vendido 51% da sua marca à Coty, Kylie é dona de apenas 44,1% da Kylie Cosmetics e não de 49%.

Kylie Jenner vende mais de metade do seu império de cosmética por 600 milhões

As conclusões são duas: a Coty pagou demais pela parcela do negócio e o património líquido de Kylie Jenner fica agora mais difícil de calcular. Ainda assim, a Forbes procedeu aos cálculos, considerando já os efeitos da pandemia de Covid-19. A cifra final fica abaixo dos 900 milhões de dólares. É mais do que suficiente para exibir o título de milionária, mas o de bilionária fica fora de questão.

Uma crise na família

Três dias após o artigo da Forbes a esmiuçar as contas armadilhadas da família Jenner, os representantes de Kylie e Kris negaram as suspeitas de mentira e falsificação de resultados por parte das empresárias. No Twitter, Kylie dedicou algumas publicações ao tema, logo no dia 29 de maio, data de publicação do artigo. “Achei que este era um site respeitável… Tudo o que vejo são alegações imprecisas e suposições não comprovadas. Nunca pedi nenhum título nem menti para tentar chegar lá. Nunca”, escreveu. “Esta é, literalmente, a última coisa com que me vou preocupar agora”, partilhou nesse mesmo dia, rematando o assunto nas redes sociais.

Com Kris Jenner, que ainda não se pronunciou publicamente sobre o tema, a conduzir as contas e os negócios da filha mais nova, as suspeitas levantadas pelo artigo Forbes terão causado algum mal-estar no seio da família Kardashian-Jenner. Com base em declarações de uma fonte próxima da família, a edição norte-americana do The Sun noticiou que Kris estaria a avaliar o caso com advogados e que teria mesmo aconselhado Kylie a não comentar o artigo nas redes sociais.

Enquanto isso, a edição britânica focou a forma como o artigo atingiu a relação entre mãe e filha. “Furiosa”, Kylie terá deixado de atender o telefone a Kris Jenner, numa altura em que a matriarca trabalhava na gestão dos danos causados pelo escândalo. Escândalo esse que não parece ter afastado os interesses financeiros em torno da família. Segundo a Reuters, depois de ter fechado negócio com a mais nova das irmãs, a Coty sonda agora uma eventual parceira com Kim Kardashian.