A Polícia de Segurança Pública (PSP) revelou esta quarta-feira que o grupo organizado de adeptos do FC Porto vai estar a cerca de 100 metros do Estádio do Famalicão, no encontro da 25.ª jornada da I Liga de futebol.

Através de videoconferência, Pedro Colaço, do comando distrital de Braga, deu conta de como se vai ser montado o dispositivo policial no jogo desta quarta-feira, à porta fechada, que marca o regresso da competição em Portugal, e já depois de se ter disputado o Portimonense-GilVicente, que começa mais cedo.

Serão acompanhados, monitorizados por polícias, e, quando chegarem a Famalicão, será criada um perímetro exterior, de mais ou menos 100 metros, pelo qual apenas podem passar os autocarros das equipas, elementos do staff e dirigentes e, eventualmente, algumas pessoas que possam ter de aceder às suas casas. Os grupos organizados, que estão a par disto, não podem entrar nesse perímetro”, explicou.

No dia em que o campeonato retoma, 87 dias depois dos últimos jogos em 8 março, devido à pandemia de Covid-19, a PSP assegurou que existe “um dispositivo policial sempre adequado à avaliação do risco de cada jogo, privilegiando a segurança interior do estádio, assim como do perímetro exterior”.

Além dos estádios, também hotéis e centros de estágio, onde as equipas vão estar hospedadas, serão controlados, de modo a evitar concentrações de adeptos.

Apelamos à responsabilidade e ao cumprimento das instruções sanitárias. Será um esforço global para prevenir a propagação do vírus e devemos garantir o distanciamento social por parte dos adeptos. Solicitamos a colaboração de todos os intervenientes. O comportamento de todos será fundamental para o que resta do campeonato”, referiu o superintendente da PSP Luís Elias, em conferência de imprensa.

Evitar possíveis desacatos entre adeptos antes ou nos dias dos jogos “estará no top das prioridades” da PSP, que “desaconselha as deslocações para os estádios, por não fazer sentido e ser incoerente”. O comissário Iuri Rodrigues deu o exemplo do regresso de campeonatos na Europa, para que não seja dado um passo atrás.

O Famalicão, sétimo classificado do campeonato, com 37 pontos, recebe o líder isolado FC Porto, com 60, no Estádio Municipal 22 de julho, a partir das 21h15, em encontro da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

PSP equaciona uso de drones para monitorizar imediações dos estádios

Os aeroportos “serão uma prioridade em termos operacionais” para “garantirmos chegadas e partidas das comitivas e prevenir eventuais concentrações de adeptos”, disse esta quarta-feira Luís Elias, na divulgação dos planos da PSP para a retoma dos jogos de futebol.

Os comandos territoriais da PSP terão equipas de intervenção rápida, de prevenção e reação imediata e unidades de informação desportivas. “Equacionaremos a utilização de drones com câmaras para podermos visualizar os itinerários, as imediações de estádios e locais de concentração de adeptos que possam ocorrer”, frisou ainda o superintendente.

A PSP está ainda a cooperar com diversas entidades, como os clubes e grupos de adeptos. “Vamos estar muito atentos ao comportamento dos adeptos, em especial dos grupos organizados”, disse Iuri Rodrigues.

A ação da PSP vai passar por prever e identificar movimentações de adeptos, assim como “prevenir eventuais desordens públicas no dia do jogo, mas também antes e depois da competição”. As unidades de informação desportiva vão trocar informação entre si e “procurarão antecipar eventuais acontecimentos desse teor”.

A fiscalização será feita, por um lado, nas imediações dos estádios, para onde a PSP desaconselha deslocações porque tal seria “contraproducente e incoerente com todas as medidas adotadas pelo governo de reabrir a competição com jogos à porta fechada, portanto, não fará sentido deslocação de adeptos para o estádio, não vão ver nada”. Ainda assim, a PSP estará preparada para a eventual deslocação de alguns adeptos para esses locais e “adotaremos medidas adequadas e proporcionais ao comportamento dessas pessoas”.

A fiscalização acontecerá também nos locais onde são transmitidos publicamente os jogos, e poderão estar concentrados alguns adeptos de risco.

Sabemos que a paixão clubística é grande, as pessoas estão um pouco a necessitar de voltar a ver futebol, mas fazemos um apelo para que haja contenção e cumprimento das regras da DGS, de distanciamento social e estaremos preparados para intervir em qualquer situação de desordem pública”, com especial foco nos jogos considerados de risco elevado (por exemplo, os que são mais decisivos).

A PSP tem estado em contacto com colegas de outros países e tem verificado diferentes comportamentos. Se na Alemanha, não tem existido necessidade de intervenção, no centro da Europa (sobretudo na República Checa e na Croácia), “tem havido desrespeito do distanciamento com situações em que as forças policiais tiveram de intervir para impedir confrontos entre adeptos e assegurar o distanciamento”.