O arquipélago espanhol das Baleares (Mediterrâneo) vai realizar um projeto piloto com cerca de 5 mil turistas alemães que vão chegar à região a partir de segunda-feira sem necessidade de cumprir a quarentena de 14 dias em vigor.

O executivo regional desta comunidade autónoma revelou que o governo central autorizou a criação de corredores seguros para canalizar o turismo internacional, uma medida para testar e dar confiança à retoma de um dos setores mais importantes de Espanha e que foi o mais afetado pela pandemia de Covid-19.

O projeto envolve “a chegada de um número significativo de turistas a cada uma das ilhas” baleares, tinha explicado na semana passada o conselheiro regional para o Turismo e o Emprego, Iago Negueruela.

Segundo Negueruela, o teste vai servir para mostrar aos mercados turísticos europeus a boa situação sanitária das Ilhas Baleares e vai ser realizado em coordenação com a Alemanha, um país que “se encontra numa situação epidemiológica muito semelhante” à do arquipélago.

O responsável regional revelou que os visitantes que participam nesta experiência de reabertura ao turismo internacional não terão de passar os 14 dias de quarentena que é imposta aos turistas internacionais até ao fim de junho.

Mais de 90% dos turistas que chegam às Ilhas Baleares no Verão são estrangeiros e muitos deles têm casas de férias na região.

O estado de emergência em Espanha, em vigor desde 15 de março, termina em 20 de junho e até ao fim do mês todas as regiões deverão concluir o plano de desconfinamento, a tempo da abertura das fronteiras a partir de 01 de julho.

A Espanha é um dos países mais atingidos pela Covid-19 que, a nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, já provocou mais de 404 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (110.771) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,9 milhões). Seguem-se o Reino Unido (40.597 mortos, mais de 287 mil casos), o Brasil (37.134 mortes, mais de 707 mil casos), a Itália (33.964 mortos, mais de 235 mil casos), a França (29.209 mortos, cerca de 191 mil casos) e a Espanha (27.136 mortos, mais de 241 mil casos).

Em Portugal, morreram 1.485 pessoas das 34.885 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.