A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública realiza na próxima semana um plenário nacional em frente ao Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública em defesa dos serviços públicos.

Em comunicado, a Frente Comum diz que o plenário de dirigentes, delegados e ativistas sindicais foi agendado para dia 25 de junho, pelas 15h.

“Nos últimos meses ficou claro o papel absolutamente fundamental dos trabalhadores da Administração Pública: da Saúde à Escola Pública, dos Resíduos Sólidos às Finanças, das Forças de Segurança à Segurança Social, passando por muitos outros Serviços, foram estes os trabalhadores que asseguram que o País não parava e que as populações viam respeitados os seus direitos”, refere.

Durante este período, a Frente Comum diz que foram “múltiplas” as violações dos direitos dos trabalhadores da Administração Pública, designadamente devido à imposição de férias, perda de rendimentos, falta de equipamentos de proteção individual, mobilidade sem respeito pelos conteúdos funcionais, cortes de um terço do salário e perda de complementos remuneratórios.

“Contudo, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública e o Governo, para além de continuar a anunciar medidas penalizadoras dos trabalhadores na comunicação social, não só não garante atualizações salariais em 2021, como não nega a possibilidade de novos congelamentos de carreiras e progressões”, refere.

Perante a postura do Governo, “que opta por não dar resposta efetiva à necessária valorização dos trabalhadores da Administração Pública e ao urgente reforço dos Serviços Públicos, a Frente Comum, reunida no dia 9 em coordenadora, decidiu convocar um Plenário Nacional de dirigentes, delegados e ativistas sindicais”.

A Frente Comum reafirma ainda a exigência de aumentos salariais dignos para todos os trabalhadores, a necessidade de valorização das carreiras e a defesa “intransigente” das funções sociais do Estado e dos serviços públicos.