O Governo dos Açores disse esta terça-feira que vai acatar uma resolução do parlamento regional e abandonar a intenção de privatizar parte do capital da Azores Airlines, empresa do grupo SATA.

“Naturalmente que o Governo Regional vai acatar a resolução desta casa”, declarou esta terça-feira a secretária com a tutela dos Transportes, Ana Cunha, numa sessão plenária que decorreu na cidade da Horta.

A governante havia sido questionada pelo deputado único do PPM, Paulo Estêvão, a propósito de uma resolução do PPM aprovada em maio e que pedia o abandono da privatização de parte do capital social da Azores Airlines, empresa pública regional, devido à incerteza provocada pela Covid-19.

O projeto foi então aprovado com os votos a favor do PS, do Bloco de Esquerda (BE), do Partido Comunista (PCP) e do Partido Popular Monárquico (PPM) e as abstenções do PSD, do CDS e da deputada independente Graça Silveira.

Um primeiro concurso para a privatização de 49% da Azores Airlines – ramo da SATA que opera de e para fora do arquipélago – foi anulado em novembro de 2018.

O grupo SATA fechou o ano de 2019 com prejuízos de 53 milhões de euros, valor semelhante ao registado em 2018, mas com melhorias em ambas as transportadoras aéreas, a Azores Airlines e a SATA Air Açores (que opera dentro do arquipélago).

O monárquico Paulo Estêvão questionou esta terça-feira também o Governo sobre a “hibernação” do novo plano de negócios da empresa, lembrando que “daqui a quatro meses” há eleições regionais e temendo que não sejam conhecidas até lá eventuais medidas como o despedimento de trabalhadores da empresa.

O plano de negócios da operadora SATA deverá estar pronto ainda este mês, declarou a secretária regional Ana Cunha.