O Twitter voltou a sinalizar um “tweet” partilhado pelo Presidente norte-americano — é a terceira vez em 30 dias que aquela rede social sinaliza as partilhas de Donald Trump. Desta vez está em causa um alegado vídeo da estação televisiva CNN sobre o racismo entre duas crianças que foi manipulado.

O vídeo, que dura 60 segundos e que foi manipulado para fazer parecer que se trata de uma transmissão da estação televisiva americana CNN, começa com imagens de uma parte de um vídeo viral que mostra uma criança negra a “fugir” de uma criança branca. No rodapé falso da CNN pode ler-se: “Criança aterrorizada foge de um bebé racista” e “bebé racista provavelmente é apoiante de Trump”.

O vídeo continua com a frase “o que realmente aconteceu”, sendo que as duas crianças a correm uma para a outra e abraçam-se. O vídeo partilhado pelo Presidente norte-americano termina com as frases: “A América não é o problema, notícias falsas são. Se vires algo, diz algo. Só tu podes prevenir a propagação de notícias falsas”.

O vídeo que Trump partilhou inclui um crédito para a conta “@CarpeDonktum”, um utilizador que publica regularmente “memes” e vídeos de paródias de apoio ao presidente dos Estados Unidos.

Na publicação, sinalizada como “conteúdo manipulado”, a rede social escreve: “O que precisa de saber [sobre esta publicação]? Em setembro de 2019, a CNN transmitiu um vídeo viral sobre uma amizade entre duas crianças. Na quinta-feira, o Presidente partilhou uma versão do vídeo que muitos jornalistas confirmaram ter sido editado e manipulado com um rodapé da CNN falso”.

Segundo a estação televisiva, um porta-voz da CNN respondeu à partilha de Trump na quinta-feira, afirmando que a estação cobriu a história [do vídeo], “mas exatamente como aconteceu, tal como quando divulgou as posições [de Trump] na corrida [às eleições]”. “Vamos continuar a trabalhar com factos e convidamo-lo a fazer o mesmo, em vez de ‘tweetar’ vídeos falsos que exploram crianças inocentes. Seja melhor”, disse.

No mesmo dia, Donald Trump partilhou outra publicação, que incluía mais um vídeo da CNN aparentemente manipulado. O vídeo, que começa com a frase “mais um dia na América de Trump”, acusa os jornalistas de ampliarem notícias falsas e interpretarem mal os factos. Um alegado exemplo disso mesmo é o momento, que este novo vídeo revela, em que um apoiante branco de Trump persegue um motorista negro da Uber e o vídeo se torna polémico. No vídeo, pode ainda ver-se um repórter da CNN a falar para a câmara, com um rodapé falso onde pode ler-se: “Culpa de Trump? Homem branco ataca motorista Uber negro”.

Este vídeo, no entanto, não foi sinalizado pela rede social.

Em maio, o Twitter já tinha sinalizado dois “tweets” de Trump, levando o presidente norte-americano a assinar uma ordem executiva que limita o poder das redes sociais.

A guerra entre Trump e o Twitter que pode mudar a internet