Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos primeiros 45 minutos, com muita luta a meio-campo e pouca inspiração, Fábio Vieira parecia peixe fora de água — e no entanto era através do seu calibrado pé esquerdo que o FC Porto aqui e ali se aproximava da baliza de Luís Maximiano. Nos segundos 45 minutos, disparou com estrondo à trave e foi substituído já depois dos 70 minutos. Na estreia a titular faltou-lhe a previsível ovação das bancadas, culpa da falta de adeptos, mas não lhe faltaram os pormenores de craque que fazem prever um grande futuro pela frente.

Danilo, a figura de uma época que foi de dispensado do estágio a super-herói (a crónica do FC Porto-Sporting)

Uma primeira parte a isolar Luis Díaz: uma e outra vez

Um dos melhores momentos da primeira parte pertenceu-lhe. Fala-se aqui de um passe a rasgar, feito do lado direito do bico da área do Sporting. Um passe que, colocado na diagonal, tinha uma intenção: aproveitar a subida da defesa do Sporting e a previsível desmarcação de Luís Díaz para o colocar na cara do golo. Foi um dos poucos momentos de brilho nos primeiros 45 minutos do jogo de esta quarta-feira no Estádio do Dragão, que permitiu ao FC Porto sagrar-se campeão nacional. Mas Díaz desperdiçou: ou melhor, viu Coates cortar a bola quase na linha de golo, depois de a colocar no poste mais afastado de Luís Maximiano.

Fábio Vieira, o sétimo estreante da geração de ouro que não entra para “parecer bem”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não seria caso único e não foi o único lance de ataque do FC Porto que teve Fábio Vieira em destaque. Ainda na primeira parte, o golo anulado aos dragões aos 12 minutos, o segundo da partida depois do golo irregular de Sporar logo no primeiro minuto do jogo, teve a marca da canhota de Fábio. No lance, o defesa direito do FC Porto, Manafá, fez um passe vertical, encontrando Vieira. O jovem criativo dos dragões recebeu de costas para a baliza — ainda longe da área — e com um só toque recebeu e enquadrou-se, ficando de frente para a defesa do Sporting.

Foi então que do pé esquerdo de Fábio Vieira saiu mais um grande passe em desmarcação, mais um a encontrar Luis Díaz. Com a canhota, Fábio levantou a bola, que sobrevoou o defesa e capitão dos leões, Sebastián Coates, chegando a Luís Diaz que se desmarcava em direção à baliza. O extremo colombiano do FC Porto recebeu a bola, mas esta sobrou para o guarda-redes do Sporting. Luís Maximiano não agarrou, largando o esférico à sua frente. Díaz aproveitou então e colocou a bola na baliza de Max, mas mais uma vez foi falso alarme: quando recebeu o passe em profundidade de Fábio Vieira, recebeu a bola tocando-a com o braço direito.

Um disparo na segunda parte, de um jogador em clara ascensão

Nascido Fábio Daniel Ferreira Vieira, capaz de jogar sobre os flancos — em especial o direito — mas também em zonas declaradamente centrais, como número 10 e no apoio principal ao ponta-de-lança, o médio e ala dos dragões foi uma das semi surpresas do onze de Sérgio Conceição esta noite. Esperava-se que Fábio fosse aposta se Otávio jogasse ao centro, junto a Danilo, libertando a ala contrária à de Luís Diaz para o talento português nascido em Santa Maria da Feira. Conceição, porém, teve outra ideia: tirou Soares do jogo, jogou apenas com um avançado — Marega — e com Otávio a 10, entregando o meio-campo a Danilo e Loum e o flanco direito a Fábio Vieira.

Há mais de dez anos no FC Porto — teve uma passagem pelo Padroense, equipa satélite dos dragões na formação, no escalão de juvenis —, o criativo de 20 anos tem vindo a ser aposta no FC Porto aos bochechos, mas com brilho: tinha já, à partida para esta noite, dois golos apontados pela equipa principal orientada por Sérgio Conceição, a que somava 26 jogos e 8 golos pela equipa B e cinco jogos e três golos pelos júniores. Isto depois de uma época anterior em grande destaque nos Sub-19 (dez golos e mais de 40 jogos), em que se cotou como um dos talentos que agora se estreia como titular com a camisola azul e branca da equipa principal dos dragões.

Considerado mais uma das jovens pérolas do FC Porto que despontam na equipa principal, a par de Romário Baró — que esteve em maior destaque no início da época —, Tomás Esteves, Vítor Ferreira e Fábio Silva (e dos já mais experientes Diogo Leite e Diogo Queirós, este último a competir por empréstimo no campeonato belga mas já com regresso acertado para a próxima temporada), Fábio Vieira foi o único elemento da formação dos dragões titular esta noite, no Estádio do Dragão.

Na segunda parte, voltou a mostrar porquê, quando ganhou espaço ainda fora da área e disparou com estrondo à baliza de Luís Maximiano. O remate, portentoso, embateu na trave — e antecedeu o primeiro golo dos dragões na partida. Aos 72 minutos, acabou substituído por outro “menino” da formação do FC Porto, mais um a quem se prevê um futuro auspicioso: Vítor Ferreira, também conhecido como Vitinha. Mas para Fábio Vieira, o futuro já começou: e afigura-se cada vez melhor.