A Fundação Calouste Gulbenkian disponibilizou online mais de cinco dezenas de títulos do seu acervo editorial que podem ser descarregados de forma gratuita. A iniciativa resulta de uma nova política da fundação que, como esta explicou num comunicado, “tem como linha orientadora tornar acessível, a todo o público, clássicos da cultura mundial e também obras marcantes da cultura portuguesa”.

Por enquanto, estão disponíveis 52 livros da coleção de textos clássicos, aqui, que incluem, por exemplo, obras de Platão, Thomas More, David Hume ou Edgar Allan Poe. As restantes coleções, de cultura portuguesa e manuais universitários, estão atualmente em processo de seleção e tratamento digital e serão colocados online de forma faseada até ao final do próximo ano.

Paralelamente, a Gulbenkian irá passar a privilegiar “a via digital”, permitindo o acesso gratuito e universal “a outros conteúdos produzidos, como ensaios, atas de colóquios, relatórios e outros textos relativos aos seus programas e projetos. Algumas das mais significativas edições da Delegação da Fundação Gulbenkian em Paris virão também a ter livre acesso”, refere-se no mesmo comunicado. Além disso, os novos títulos e reedições serão, a partir de agora, “primordialmente” feitos “em formato digital”.

No âmbito desta nova política, o plano editorial da fundação “vai privilegiar textos fundamentais da cultura portuguesa que, pelo seu custo, o mercado não se dispõe a editar, e também a tradução e edição em língua portuguesa de clássicos estrangeiros, que constituem marcos fundamentais da cultura universal”.

A iniciativa “resulta de um compromisso com a sociedade e persegue o mesmo propósito de sempre: tornar a leitura acessível a todos. Foi assim com as Bibliotecas Itinerantes, as emblemáticas carrinhas que levaram a leitura por todo o país, de forma gratuita, e será agora também com as suas edições de clássicos, publicadas pela Fundação a preços acessíveis”, afirmou a presidente da Fundação Gulbenkian, Isabel Mota, citada no comunicado.