A Organização Mundial de Saúde e as Nações Unidas apelaram esta quarta-feira para que os países combatam a disseminação de ideias falsas sobre a Covid-19, pretendendo ganhar “a confiança do público” numa vacina que venha a surgir.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou num seminário realizado pela Internet que “mensagens incorretas e até perigosas proliferaram sem controlo nas redes sociais, confundindo as pessoas, enganando-as e levando-as a agir imprudentemente“, referindo-se ao que a OMS tem chamado de “infodemia”.

A ONU quer “aumentar a confiança do público na segurança e eficácia de futuras vacinas para a Covid-19”, assumiu Guterres.

O secretário-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, salientou que “a informação incorreta e a desinformação põem saúde e vidas em risco e minam a confiança na ciência, nas instituições e nos sistemas de saúde”.

Para combater a pandemia, precisamos de confiança e solidariedade. Quando não há confiança, há muito menos solidariedade”, acrescentou.

A OMS e outras agências das Nações Unidas apelaram às nações para ouvirem os seus cidadãos ao mesmo tempo que criam planos nacionais de ação contra a informação falsa sobre a Covid-19.