Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Faltavam seis minutos para a uma da manhã (hora local) quando o tweet de Donald Trump foi publicado e a notícia caiu como uma bomba: a um mês das eleições, o candidato e Presidente em funções dos Estados Unidos e a sua mulher, Melania Trump, testaram positivo para o novo coronavírus. Meia hora depois, também a primeira-dama confirmou a informação na sua página oficial do Twitter. Em menos de 24 horas, o Presidente norte-americano foi levado para o hospital.

O casal já se tinha preparado para ficar em isolamento profilático, antes de receber o resultado do teste, depois de Hope Hicks, uma das assessoras mais próximas do Presidente ter apresentado sintomas para a Covid-19 e ter testado positivo para o SARS-CoV-2. Mas mesmo perante os resultados do teste, o médico da Casa Branca, Sean P. Conley, disse que o Presidente estava em condições de trabalhar a partir da residência oficial. Na altura, no entanto, não se sabia que o casal Trump apresentava sintomas para a doença.

Mark Meadows, chefe do gabinete do Presidente, disse, na sexta-feira, que Donald Trump “continua não só de bom humor, como cheio de energia”, apesar de ter cancelado os eventos presenciais do dia. O único compromisso que manteve foi uma chamada telefónica com os governadores dedicada aos idosos mais vulneráveis. No entanto, quem acabou por representar o Presidente, nesse momento, foi Mike Pence — que testou negativo para o vírus —, reportou o jornal The New York Times. Fonte da Casa Branca desvaloriza e diz que não deve haver leituras secundárias nesta alteração dos planos.

Por descuido ou erro na linguagem, Larry Kudlow, conselheiro económico da Casa Branca, disse que Donald Trump estava bem e que tinha uma doença “moderada” — mas isso é diferente dos sintomas ligeiros anunciados por outras fontes —, noticiou a CNN. O conselheiro admitiu, contudo, não terá falado com o Presidente esta sexta-feira. Uma fonte próxima do Presidente disse à CNN que Trump está com febre desde esta manhã e que se sente cansado — o que é um pouco diferente das referências a “energia” e boa disposição. Ao fim do dia soube-se o Presidente foi injetado com um fármaco experimental e que foi levado para o hospital militar Walter Reed onde passará os próximos dias.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.