O presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, decidiu vender cerca de 5,6 milhões de dólares em ações da farmacêutica norte-americana no dia em que os títulos da empresa dispararam mais de 20%, a beneficiar das notícias sobre a elevada eficácia da vacina que está a ser desenvolvida pela Pfizer e pela alemã BioNTech. Foram colocadas no mercado 132.508 ações da Pfizer, que foram compradas por outros investidores, a uma cotação de 41,94 dólares por ação – o que terá resultado num encaixe de 5,6 milhões de dólares (4,75 milhões de euros).

Esta foi uma ordem de venda que já estava calendarizada no plano de remuneração do executivo – periodicamente Bourla liquida algumas ações que lhe são dadas como componente da sua remuneração. Mas acabou ser um bom negócio porque a venda coincidiu com um dia muito importante  não só para a Pfizer mas para toda a comunidade científica que está a trabalhar para combater a pandemia de Covid-19 – aliás, segundo um porta-voz da Pfizer citado pela CNN, a venda das ações foi lançada de forma automática porque a forte valorização dos títulos fez com que eles tocassem uma cotação que Bourla tinha, em agosto, fixado como referência para que as ações fossem colocadas no mercado.

E não foi só Albert Bourla que concretizou mais-valias vendendo parte das suas ações na bolsa. Também Sally Susman, a vice-presidente, vendeu 43.662 ao mesmo preço de Bourla – 41,94 dólares – numa transação que terá resultado num encaixe financeiro de 1,8 milhões.

As ações foram colocadas no mercado muito perto do máximo fixado na sessão de segunda-feira. Fonte: Google Finance

Questionado sobre se terá ocorrido a Bourla ou à Pfizer cancelar essa ordem de venda automática àquele nível, o porta-voz disse que “estes são planos pré-determinados geridos através de um gestor de títulos externo”. Estes planos são comuns mas também acontece frequentemente os executivos das empresas alterarem-nos quando sabem que vão anunciar uma notícia muito positiva (ou muito negativa), para evitar a aparência de aproveitamento pessoal.

6 pistas para entender a importância da vacina da Pfizer, que tem 90% de eficácia contra a Covid