O governo de coligação alemão vai introduzir uma quota obrigatória para que mais mulheres assumam cargos de administração em empresas listadas no país. A medida está a ser considerada um passo em direção à igualdade de género no ambiente empresarial.

O acordo foi alcançado na passada sexta-feira, escreve o The Guardian, e implica que conselhos de administração com mais de três membros tenham de incluir pelo menos uma mulher — o acordo reverte assim um sistema voluntário, datado de 2015, que não estava a produzir os resultados desejados.

Franziska Giffey, ministra federal dos Assuntos da Família, considera o passo “histórico”. “Vamos pôr um fim aos conselhos de administração de grandes empresas sem mulheres. Estamos a dar o exemplo para uma sociedade sustentável e moderna”, afirmou.

De acordo com um inquérito recente, citado pelo The Guardian, a representação de mulheres na administração de empresas alemãs está abaixo daquela em grandes economias rivais — as mulheres representam 12,8% dos conselhos de administração nas 30 maiores empresas do país listadas no índice Dax.

De referir ainda que a medida poderá vir a incomodar empresários alemães, que a consideram uma interferência injustificada no sector privado.