A Escola Básica André de Resende, em Évora, encerrada há uma semana devido a casos de Covid-19, reabriu esta segunda-feira parcialmente, com aulas presenciais de manhã e à distância durante a tarde, revelou o diretor do agrupamento.

O estabelecimento de ensino, que tem cerca de 700 alunos, do 5.º ao 8.ºano de escolaridade, tem três assistentes operacionais infetados com o vírus que provoca a Covid-19, mas os resultados dos testes aos outros funcionários foram agora negativos.

“Na madrugada de domingo, veio a comunicação da autoridade de saúde sobre os resultados dos testes” e há “12 ou 13” negativos, pelo que permanecem “três assistentes infetados”, indicou o diretor do Agrupamento de Escolas Gabriel Pereira, Fernando Farinha Martins.

Segundo o responsável, foi, por isso, decidido que a escola reabrisse esta segunda-feira, mas de forma parcial, apenas de manhã, sem servir refeições, já que dois dos três funcionários infetados com o novo coronavírus SARS-CoV-2 trabalham no refeitório.

“Há duas senhoras da cozinha” infetadas, “daí que o refeitório se mantenha encerrado”, referiu o diretor, explicando que a escola está aberta “no período de manhã, até às 13h”, e “a essa hora os alunos vão almoçar em casa”, prosseguindo “as aulas no período da tarde, mas à distância”.

Durante a manhã, é quando “a maioria da turmas tem 70 a 80% da carga curricular”, destacou Fernando Farinha Martins, acrescentando que, por isso, a reabertura nesse período é a “opção mais vantajosa para os alunos”. O diretor do agrupamento escolar assinalou que esta solução para o funcionamento da Escola Básica André de Resende “vai certamente manter-se esta semana porque, face ao confinamento das duas cozinheiras, não há alternativa”.

Os assistentes confinados irão, em data próxima, repetir o teste e, só após esse teste, será possível” o funcionamento da escola a 100%: “Mas penso que antes do dia 02 [de dezembro] não será, certamente”, afirmou o diretor.

O primeiro caso de infeção pelo vírus da Covid-19 neste estabelecimento escolar foi conhecido no dia 14 e, no dia seguinte, domingo, foi anunciado o encerramento da escola, que se efetivou nessa segunda-feira. Uma cozinheira teve um teste positivo para o novo coronavírus, o que “impediu a abertura do refeitório” e determinou, por indicação da autoridade de saúde, o isolamento profilático dos outros assistentes operacionais.

Na sequência desse primeiro caso, os funcionários realizaram o teste e foram, então, detetados mais dois casos de infeção, permanecendo a escola fechada, até esta segunda-feira.