Dark Mode 192kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Como vai ser o Natal noutros países da Europa? Reino Unido permissivo, Alemanha e França fechados /premium

Recolhimento obrigatório vai mudar em Espanha. No Reino Unido, os ajuntamentos ficam-se pelos três agregados familiares mas sem limite de pessoas. Como a Europa está a preparar o Natal.

i

Em Espanha, França, Alemanha e Reino Unido, os governos já delinearam os planos para o Natal e Passagem de Ano

NurPhoto via Getty Images

Em Espanha, França, Alemanha e Reino Unido, os governos já delinearam os planos para o Natal e Passagem de Ano

NurPhoto via Getty Images

[Artigo atualizado às 18h00 de 2 de dezembro de 2020, com mais países]

Vários países já preparam algumas das medidas que serão impostas durante a época natalícia para controlar a transmissão do novo coronavírus. Mas a estratégia varia: no Reino Unido, as regras são mais permissivas e abrem a oportunidade para a reunião entre vários agregados familiares. Em Espanha, o recolhimento obrigatório começa mais tarde do que é habitual. Na Alemanha e em França, as restrições continuam apertadas. O balanço na União Europeia de acordo com os anúncios feitos esta terça-feira.

Espanha

Natal com dez pessoas e recolhimento mais tardio

Uma mulher apanha flores-do-Natal numa estufa em Vilassar de Mar, Espanha.

Manuel Medir/Getty Images

Em Espanha, o governo de Pedro Sánchez decretou que as celebrações de Natal, passagem de ano e Dia de Reis aconteçam somente entre os membros do mesmo “grupo de convivência” habitual. No caso de haver reuniões com membros de pessoas habitem em casas diferentes, a proposta do governo espanhol dita que a festa não poderá ter mais do que 10 pessoas — um número superior aos seis inicialmente referidos nos planos que se conheceram. Certo é que esta restrição é válida tanto nas vésperas como nos próprios feriados.

A circulação entre as diferentes regiões/comunidades de Espanha será, de acordo com a proposta governamental a que o El País teve acesso, limitada apenas às pessoas que se desloquem para se juntarem aos seus familiares. De qualquer modo, a este respeito, quem tem a palavra são os governos regionais, que poderão assim impôr regras mais estritas.

O recolhimento obrigatório começa a partir da 1h30 da manhã — duas horas e meia mais tarde das regras em vigor neste momento — até às seis da manhã. Mas não há benevolência para quem, durante as festas, estiver com uma infeção ativa pelo novo coronavírus ou quem estiver em quarentena: essas não podem mesmo celebrar o Natal ou a Passagem de Ano com outras pessoas.

Quanto às celebrações sociais, como as que são típicas nesta altura do ano entre colegas de trabalho, amigos ou de clubes desportivos, também devem ser “minimizadas ou evitadas”. Mas, se forem avante, não poderão reunir mais do que seis pessoas e devem ocorrer ao ar livre ou em terraços “com um máximo de duas paredes”.

As viagens entre comunidades espanholas são permitidas, mas devem ser evitadas ao máximo. Os estudantes universitários que estejam de regresso a casa para se juntarem às famílias para a época natalícia devem “limitar as interações sociais nos dias anteriores à viagem e tomar medidas preventivas extremas”. Mesmo em casa, devem evitar o contacto direto com os membros da família e usar máscara.

As fronteiras espanholas continuarão abertas e prontas a receber visitantes, mas também devem ser evitadas. Quem entrar em Espanha vindo de um país ou região de alto risco terá de apresentar um teste diagnóstico com resultado negativo, realizado “nas 72 horas anteriores à chegada” a território espanhol. Os viajantes que não tenham realizado esse teste, terão de fazer um à chegada.

O governo espanhol também tenciona aumentar a frequência dos transportes públicos “ao máximo” para evitar aglomerações e “permitir o cumprimento da lotação”. Ainda assim, “será privilegiada uma distribuição do espaço público que promova as atividades realizadas a pé ou de bicicleta nas proximidades de casa, através da pedonalização dos espaços, da criação de ciclovias ou da manutenção de parques abertos”.

Os espetáculos natalícios devem ser realizados ao ar livre ou respeitando as regras para manter apenas 50% da capacidade dos espaços, cumprindo o distanciamento social. Neste caso, mantêm-se as medidas impostas nas atividades culturais, mas há uma diferença para os eventos religiosos: se ocorrerem em espaços fechados, não se pode cantar. A missa do galo pode acontecer com as medidas já em vigor para as celebrações religiosas, mas só se terminar a tempo de todos os participantes cumprirem o recolhimento obrigatório.

Reino Unido

Podem juntar-se três famílias, sem limite de pessoas

Em Londres, Inglaterra, uma mulher espreita as monstras em Burlington Arcade, decorada para o Natal.

Dan Kitwood/Getty Images

A reunião de Michael Gove, ministro do Gabinete do Governo, com representantes da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte para delinear o plano das autoridades de saúde para a época natalícia já terminou e as regras já foram alinhavadas. Serão permitidas as reuniões com membros de até três agregados familiares, independentemente do número de pessoas, que funcionarão como “uma bolha exclusiva” entre 23 de dezembro e 27 de dezembro.

Durante esse período, as pessoas que façam parte dessa bolha exclusiva podem visitar as casas umas das outras, encontrar-se em locais de culto ou em espaços públicos como jardins. Mais: em Inglaterra, se duas família se tiverem sinalizado como “bolha de apoio” — ou seja, dois agregados familiares que convivem e mantêm contacto para prestarem apoio um ao outro (como o caso de um idoso que viva sozinho e da família de um dos filhos, por exemplo) — essas duas famílias contam como apenas um agregado e podem juntar-se a outros dois.

No entanto, o grupo é fixo ao longo daqueles dias, por isso as pessoas que se reúnam para o jantar na Véspera de Natal não podem juntar-se a outras pessoas para o almoço no Dia de Natal. Só há uma exceção: os filhos de pais separados, que podem visitar um dos pais no dia e outro no dia seguinte sem contarem como um agregado familiar à parte.

Os membros da bolha exclusiva de Natal também não poderão visitar em conjunto um bar ou restaurante, teatro ou cinema. Mas cada um deles pode encontrar-se com pessoas fora da dita bolha desde que se cumpram as medidas de restrição impostas em cada uma das regiões do Reino Unido. Além disso, cada membro de uma família que viva na mesma casa pode entrar numa bolha exclusiva diferente da dos outros membros, mas a família só poderá conviver novamente em casa a 28 de dezembro.

O governo decidiu também suspender as restrições às viagens que estão em vigor no Reino Unido para permitir que as famílias se possam reunir para o Natal, mas, ao contrário do que está a ser sugerido em Espanha, não haverá reforços nos transportes públicos. Os estudantes universitários podem regressar a casa, para junto dos pais, sem serem considerados como um agregado familiar separado; mas se já forem adultos ou não estudarem, os filhos são considerados um agregado familiar diferente — exceto, lá está, se todos já fizerem parte da mesma “bolha de apoio”.

Alemanha

Natal sim, mas com isolamento profilático logo a seguir

As ruas da cidade alemã de Bonn já foram decoradas com as iluminações típicas do Natal.

Ying Tang/NurPhoto via Getty Images

O confinamento parcial em vigor na Alemanha vai ser interrompido entre 23 de dezembro e 1 de janeiro para as celebrações do Natal e da Passagem de Ano. Durante este período, serão permitidos os ajuntamentos entre os membros de dois agregados familiares até um máximo de 10 pessoas (o dobro do permitido até agora) sem contar com os menores até aos 14 anos.

Mas, depois das festividades, todos serão encorajados a cumprir isolamento profilático durante um número de dias ainda por determinar. Aliás, antes e depois do período do Natal e da Passagem de Ano, as regras continuarão apertadas na Alemanha: os ajuntamentos, também limitados a dois agregados familiares, não podem ter mais de cinco pessoas, excluindo os indivíduos com menos de 14 anos; a utilização de máscaras será obrigatória em edifícios públicos, lojas e transportes públicos, assim como nos espaços ao ar livre onde não for possível cumprir distanciamento social.

Nas escolas, as máscaras também deverão ser exigidas nas aulas — não apenas quando os estudantes estão em circulação — em todos os alunos a partir do sétimo ano de escolaridade, sempre que o concelho tiver mais de 50 casos por 100 mil habitantes. De fora desta nova medida devem ficar as escolas sem nenhum caso de infeção pelo novo coronavírus e o caso das regiões que implementarem o ensino à distância por causa da sua situação epidemiológica.

França

Natal será passado na segunda fase de desconfinamento

Mesmo com menos pessoas para a apreciar, a avenida dos Campos Elísios estão decoradas com luzes vermelhas de Natal.

Pascal Le Segretain/Getty Images

Emmanuel Macron anunciou esta terça-feira um desconfinamento nacional em três fases que permite às famílias se juntarem por altura do Natal; e ao comércio estar aberto a tempo das compras de Natal. Mas há uma tradição francesa que não pode ser cumprida este ano: as visitas aos resorts para a prática de desportos de inverno terão de ser adiadas, uma vez que estes espaços continuarão fechados até ao próximo ano.

A 28 de novembro, começa a primeira fase de desconfinamento em França. A obrigação de permanecer em casa continuará em vigor, mas cada residente pode praticar exercício físico ao ar livre por três horas por dia (o triplo do que era permitido até agora), num raio de 20 quilómetros a partir de casa — neste momento, o raio é de apenas um quilómetro. Além disso, as lojas de bens não-essenciais poderão abrir portas e as celebrações religiosas podem recomeçar, mas com apenas 30 participantes.

A 15 de dezembro o confinamento termina verdadeiramente, mas haverá um recolhimento obrigatório entre as 21h e as 7h da manhã. Os teatros e os cinemas também poderão abrir portas. Estas são as regras que permanecerão em vigor na altura do Natal e da Passagem de Ano, mas não é claro como é que o governo francês vai gerir as regras para os ajuntamentos sociais durante as festividades de dezembro.

Só quase um mês mais tarde, a 20 de janeiro, é que começa e terceira fase de desconfinamento. Segundo o plano de Emmanuel Macron, os bares, restaurantes e cafés poderão voltar ao funcionamento, as universidades recomeçarão as aulas presenciais e os ginásios podem reabrir portas. Mas o primeiro-ministro francês deixa um recado sobre o início de 2021: “Devemos fazer de tudo para evitar uma terceira onda, fazer de tudo para evitar um terceiro confinamento”.

Bélgica

Um Natal à varanda ou no jardim, sem poder ir à casa de banho

Na Bélgica, a ministra do Interior avisou que a polícia poderá intervir para dispersar ajuntamentos excessivos ou ruidosos

Anadolu Agency via Getty Images

Na Bélgica, a ceia de Natal deverá ser passada apenas com pessoas fora do núcleo habitacional. Para as pessoas que vivam sozinhas, abre-se no entanto uma exceção: poderão juntar-se com mais três pessoas numa só casa.

No entanto, esta concessão obriga a outras restrições no que ao segundo caso diz respeito. A primeira passa pela recomendação de o ajuntamento ser feito numa varanda ou num jardim, no caso de estes espaços existirem na casa em questão. Se for esse o caso, só uma das quatro pessoas pode entrar e sair da casa, tanto para ir à casa de banho como para ir buscar comida ou para outros fins. Os restantes convivas não poderão entrar na casa — e se o jardim não tiver acesso pela rua, terão de passar pela casa sem pausa e só parar quando ali chegarem.

Estas informações foram detalhadas pela ministra do Interior, Annelies Verlinden, que avisou ainda que a polícia estará atenta a grupos ruidosos. “Se um ajuntamento festivo ruidoso ou numeroso foi assinalado num espaço fechado, a polícia poderá intervir”, avisou numa entrevista à Radio 1.

Na noite de Natal, o recolher obrigatório será mais tardio: em vez de ir das 22h00 às 6h00 do dia seguinte como de costume, será excecionalmente entre as 00h00 e as 5h00 do dia seguinte.

Quanto às compras de Natal, as regras também serão apertadas: além de não ser permitido permanecer numa loja durante mais do que 30 minutos, também terá de ser respeitada uma regra de um cliente por cada 10 metros quadrados. E apesar de ter havido um recente relaxamento nas regras de abertura para o comércio em geral, estabelecimentos como bares, os restaurantes e salões vão continuar fechados pelo menos até 15 de janeiro.

Itália

Circulação entre regiões proibida, entre municípios só para famílias

Em Itália, o número de pessoas permitidos à mesa deverá ficar entre os 6 e os 8

AFP via Getty Images

Em Itália, o governo de Giuseppe Conte prepara-se para propor ao parlamento medidas especiais para o Natal que contemplam a proibição de circulação entre regiões e admitem a circulação entre autarquias apenas para reuniões familiares. O limite máximo de pessoas ainda não é conhecido, mas a imprensa italiana tem referido uma estimativa entre 6 a 8 indivíduos.

O maior foco do governo italiano parece ser, para já, o de impedir a circulação entre as diferentes regiões do país, que tem dividido entre três graus: amarelo, laranja e vermelho, do menos grave para o pior. Nos dias de celebração do Natal (25 e 26 de dezembro) e também na passagem de ano será proibida a circulação entre regiões e entre municípios haverá restrições apertadas.

“Não será um Natal como os outros, mas a contribuição de todos ajudará a prevenir a propagação do vírus e a aligeirar o trabalho nos centros hospitalares”, disse esta quarta-feira no parlamento o ministro da Saúde, Roberto Speranza.

O mesmo ministro anunciou ainda que a vacina contra a Covid-19 será gratuita em Itália.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.