480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Há três dias consecutivos que internamentos em cuidados intensivos atingem novos máximos

Este artigo tem mais de 1 ano

O padrão repete-se. Este domingo, tal como no sábado e na sexta-feira, o número de doentes Covid internados em cuidados intensivos é o valor mais alto desde o início da pandemia.

TOPSHOT-PORTUGAL-HEALTH-VIRUS-HOSPITAL
i

Nas últimas 24 horas, registaram-se também 64 mortes e 4.093 novos casos de infeção pelo vírus da Covid-19 em Portugal

AFP via Getty Images

Nas últimas 24 horas, registaram-se também 64 mortes e 4.093 novos casos de infeção pelo vírus da Covid-19 em Portugal

AFP via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A exceção à regra é o dia 26 de novembro. Não fosse essa data, hoje seria o décimo sétimo dia com o número de internados em cuidados intensivos (UCI) a subir. Na quinta-feira passada, depois de duas semanas sempre a subir consecutivamente, parecia que finalmente se tinha pisado no travão, ainda que levemente. Em relação à véspera, havia menos um internado em UCI. Foi sol de pouca dura, e desde então, os números regressaram às subidas. E não se limitam a aumentar. Desde sexta-feira, há três dias consecutivos, que se regista diariamente o pior número de sempre de hospitalizados em cuidados intensivos. Domingo mantém a regra: há 536 doentes em camas de UCI, o valor mais elevado até agora. 

A pressão sobre as autoridades de saúde mantém-se, numa altura em que a possibilidade de esgotar a capacidade de internamento nos hospitais portugueses é uma das principais preocupações.

Nas últimas 24 horas, registaram-se também 64 mortes e 4.093 novos casos de infeção pelo vírus da Covid-19 em Portugal, números avançados no boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde. Duas descidas em relação à véspera, dia em que o país contou 87 óbitos (o segundo pior dia de sempre) e 4.868 novos diagnósticos positivos.

Número de internados em UCI baixa após duas semanas a subir

Norte com quase 2.500 novos casos, mais de metade do total

Dos cerca de 4 mil diagnósticos positivos, a maioria está no Norte, como tem sido padrão. São 60,8% dos casos, o que em números absolutos representa mais 2.490 infetados naquela região. Segue-se Lisboa e Vale do Tejo com menos de mil infetados registados: 23,9% do total nacional, o que corresponde a 979 novos contágios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No Centro, segundo no boletim epidemiológico, são 444 casos, no Alentejo mais 84 e no Algarve somam-se 49 contágios. Nas ilhas, os Açores reporta mais 37 diagnósticos positivos e a Madeira uma dezena.

O boletim mostra ainda que 209.534 pessoas recuperaram da infeção desde o início da pandemia no país. Só nas últimas 24 horas, registaram-se mais 3.259 casos de recuperação — na véspera foram 6.829.

Há ainda 80.288 contactos em vigilância nas últimas 24 horas, menos 17 do que na véspera.

Óbitos. Três vítimas mortais tinham menos de 60 anos

A maioria dos óbitos (44) foram registados em pessoas com mais de 80 anos, mas três das vítimas mortais, todas do sexo masculino, tinham idade inferior a 60 anos — uma dela estava na faixa etária entre os 40 e os 49 anos.

Na divisão por sexo, das 64 vítimas a lamentar, 34 eram homens e 30 eram mulheres.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.