Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Além da incerteza, a pandemia de Covid-19 veio dificultar o negócio de muitos setores que estavam em crescimento, como é o caso do turismo. Em Portugal, por exemplo, os últimos nove meses registaram menos dez milhões de turistas do que no mesmo período do ano passado, num ano que se esperava que fosse de crescimento. Mas, apesar da realidade pandémica, há áreas do turismo que começam a encontrar formas de se adaptarem. É o caso da GuestReady, empresa de gestão de arrendamentos de curto prazo, que depois de sofrer quebras nas receitas na ordem de 80%, no início do ano, conseguiu recuperar algum fôlego no verão, tem repensado a forma de trabalhar e conseguiu obter 1,5 milhões de euros de financiamento através de uma campanha de crowdfunding.

O caminho até aqui teve vários desafios. Alexander Limpert, cofundador e presidente da GuestReady, admite que este ano “tem sido muito agitado” e que a empresa sofreu o impacto da pandemia logo no início, em março, por ser uma empresa ligada ao turismo. “Fomos dos primeiros a sentir tudo isto”, explica, acrescentando que houve uma grande quebra no número de reservas — cerca de 80% entre janeiro e abril.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.