A Renault Portugal anunciou hoje que a fábrica de Cacia, a segunda maior do sector automóvel em Portugal, em número de colaboradores (1380), já começou a produzir em exclusivo a caixa de velocidades que vai equipar cinco modelos do grupo francês, nomeadamente os Renault Clio, Captur e Mégane e os Dacia Sandero e Duster.

O início da fabricação da nova caixa de velocidades do Grupo Renault é um marco histórico para a Renault Cacia. Não só porque se trata de um produto de topo na tecnologia de caixas manuais como, para a sua fabricação, a Renault Cacia fez um grande investimento na qualificação dos seus recursos humanos. A atribuição em exclusivo deste produto à Renault Cacia é a prova da competência desta fábrica que vê, assim, o seu futuro imediato assegurado com esta nova caixa de velocidades”, destaca o director da Renault Cacia, Christophe Clément.

A transmissão em causa dá pelo nome de código JT 4, fazendo de Portugal o único país onde esta referência é produzida e exportada para todo o mundo, em resultado de um investimento superior a 100 milhões de euros, anunciado há dois anos pela Renault S.A. e pelo AICEP, numa cerimónia que contou inclusivamente com a presença do primeiro-ministro António Costa.

Com a capacidade de fornecer 500.000 unidades/ano da caixa de velocidades JT 4 às diversas fábricas de montagem de automóveis espalhadas pelo mundo, a Renault Cacia verá a capacidade de produção anual ser aumentada para 550.000 unidades no primeiro quadrimestre do próximo ano, estimando-se que só este componente venha a representar cerca de 70% do volume de negócios da fábrica portuguesa.

De recordar que, em 2021, esta unidade fabril vai cumprir o seu 40.º aniversário. Ao longo destas quatro décadas, a Renault Cacia destacou-se como a melhor na produção de caixas de velocidades, segundo os critérios de qualidade, custo e prazo definidos no seio da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

Cacia é a melhor fábrica de caixas de velocidades do mundo

Além de transmissões, a fábrica portuguesa é o maior fornecedor de bombas de óleo para o Grupo Renault, produzindo muitos outros componentes. Tanto que a própria marca do losango assume que, “em cada automóvel Renault que circula no mundo, existe pelo menos um componente fabricado na Renault Cacia”.