Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Alemanha vai endurecer as medidas de combate à pandemia da Covid-19 durante o período do Natal, uma vez que o número de novos casos de infeção por dia continua a aumentar, anunciou este domingo a chanceler alemã, Angela Merkel. A partir da próxima quarta-feira, 16 de dezembro, a esmagadora maioria das lojas vai fechar — e assim será até ao dia 10 de janeiro.

Bares e restaurantes vão manter-se fechados até à mesma data, mas as escolas, que deveriam manter o seu calendário de funcionamento normal, vão encerrar mais cedo e ficar fechadas entre 16 de dezembro e 10 de janeiro, esclarece a Reuters.

Apenas ficarão abertos ao público os serviços essenciais, incluindo supermercados, farmácias e bancos. Estabelecimentos como barbeiros e cabeleireiros vão ter de voltar a fechar.

Eu desejaria medidas mais ligeiras“, admitiu Angela Merkel numa conferência de imprensa esta manhã, depois de uma reunião à distância com os líderes políticos dos 16 estados federados que compõem a Alemanha. “Mas, devido às compras de Natal, o número de contactos sociais aumentou consideravelmente”, acrescentou. “Há uma necessidade urgente de agir.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No final de novembro, Merkel tinha anunciado que o confinamento parcial em que o país se encontra seria prolongado até ao dia 20 de dezembro, num último esforço para tentar controlar a pandemia e permitir um ligeiro relaxamento das medidas nos dias do Natal.

Alemanha prolonga confinamento parcial até 20 de dezembro para tentar relaxar medidas no Natal

Porém, o alerta estava dado: havia sempre a possibilidade de apertar ou prolongar as medidas caso o resultado não fosse o esperado. Uma das possibilidades postas em cima da mesa por Merkel era a antecipação das férias escolares para começarem no dia 16 de dezembro.

Esta semana, num discurso emotivo, a chanceler pediu aos alemães que se mantivessem seguros e voltou a insistir na antecipação das férias. “Se tivermos agora demasiados contactos antes do Natal e depois disso este for o último Natal com os nossos avós, é porque falhámos alguma coisa e não o deveríamos fazer“, disse Merkel. “Se a ciência praticamente nos implora que tenhamos uma semana de contactos reduzidos antes do Natal, antes de estarmos com uma avó ou um avô, ou com pessoas mais velhas: talvez devamos pensar outra vez se não conseguimos encontrar uma forma de termos férias já a partir do dia 16, e não no dia 19.”

A revisão da abordagem alemã às medidas para o período do Natal surge a cinco dias de o mesmo acontecer em Portugal. No dia 18 de dezembro, o Governo português deverá avaliar se a evolução da pandemia no país permite que as medidas já anunciadas para o Natal e Ano Novo — que incluem um relaxamento significativo nos dias do Natal, mas menos no Ano Novo — se mantenham ou se será necessário impor mais restrições.

Desde o início da pandemia, já foram diagnosticados mais de 1,3 milhões de casos de Covid-19 na Alemanha — e já morreram mais de 22 mil pessoas. Nos últimos dias, o número de casos de infeção por dia tem vindo a aumentar, rondando os 20 mil casos diários.