Há 10 jogos consecutivos que o FC Porto não conhecia outro resultado que não fosse a vitória. Ou seja, desde o empate no Dragão com o Manchester City na fase de grupos da Liga dos Campeões, logo no início de dezembro, que o FC Porto só sabia ganhar. Ao longo de cerca de um mês e meio, entre a última jornada da Champions com o Olympiacos, a Taça da Liga, a Taça de Portugal e o Campeonato, o FC Porto ganhou sempre. Até esta sexta-feira.

Esta sexta-feira, o Benfica de Jorge Jesus interrompeu o mês e meio vencedor dos dragões. Além disso, a equipa de Sérgio Conceição falhou ainda um registo histórico, o de mais vitórias consecutivos em Clássicos entre FC Porto e Benfica, já que chegaria ao quinto seguido se tivesse vencido esta sexta-feira. Mais do que isso, esta foi a primeira vez nas últimas três épocas em que os dragões não conseguiram vencer nenhum dos dois primeiros Clássicos para o Campeonato, já que antes de empatarem com os encarnados já tinham empatado com o Sporting em outubro.

Sérgio e Jesus “pegaram-se” no final e técnico portista teve de ser separado. “Conversas de futebol, está tudo bem”, disse

O FC Porto falhou ainda a aproximação aos leões, deixando passar a oportunidade que a equipa de Rúben Amorim permitiu ao empatar ao final da tarde com o Rio Ave, e permanece a quatro pontos da liderança, em igualdade pontual com o Benfica. Já Taremi, de forma individual, alcançou dois registos — ambos negativos, apesar do golo que marcou. O avançado tornou-se o primeiro jogador dos dragões em mais de dez anos a ser expulso contra os encarnados no Dragão (o último tinha sido Fucile, em 2009/10) e também o primeiro, em 26 anos, a ver cartão vermelho direto num Clássico entre as duas equipas depois de ter marcado um golo. Neste capítulo específico, o último a alcançar este feito tinha sido Rui Filipe, em 1994, numa lista que também conta com Eusébio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na flash interview, Pepe reconheceu que o avançado iraniano foi “bem expulso”, depois de uma entrada muito dura sobre Otamendi, mas deixou várias críticas à atuação da equipa de arbitragem. “Tentamos ser fiéis às nossas ideias, onde quer que seja, seja contra quem for. Temos o intuito de vencer respeitando o adversário. Queríamos vencer, mas não foi possível. Deixar uma nota inaceitável, que foi o Pizzi acabar o jogo. Da mesma maneira que o Taremi foi bem expulso, o Pizzi também devia ter sido, mas essa é uma questão que já não diz respeito aos jogadores, tentámos fazer o nosso jogo. Defender 11, com 10, e atacar. Foi uma entrega total”, garantiu o internacional português, que comentou ainda um jogo “muito difícil”.

“O Benfica demonstrou respeito pela nossa equipa. Tentámos fazer o nosso jogo. Conseguimos impor o ritmo em diversos momentos mas foi complicado pelo 120 minutos disputados na Madeira para a Taça de Portugal. Não é desculpa, porque queríamos vencer e procurámos sempre esse desfecho, além de que tivemos uma a melhor ocasião para fazer o 2-1, pelo Marega. Foi uma partida de nível de competitividade elevado e todos estão de parabéns”, disse o central, que sublinhou também que o FC Porto não teve receio de “partir o jogo”. “A estratégia estava bem trabalhada e a melhor ocasião do segundo tempo pertenceu ao FC Porto e com menos um. Realçar o belo trabalho que realizámos, agora é descansar porque temos um título para conquistar. Já jogámos contra Sporting e Benfica. Foram dois empates e temos de continuar nessa linha. Estamos em todas as frentes. Somos competitivos e espero que no final estejamos em primeiro lugar”, concluiu Pepe.