Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dois homens – pai, com cerca de 70 anos, e filho, de 42 – foram encontrados mortos, este domingo, em sua casa, na Damaia (Amadora). O alerta foi dado pelos vizinhos, que estranharam não os ver nos últimos dias. À chegada de elementos dos Bombeiros Voluntários da Amadora e da PSP, por volta das 13h, cerca de cinco minutos após ter sido acionada a emergência pelo CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes), o filho estava já sem vida, mas ainda foram tentadas manobras de reanimação em relação ao pai, que acabou também por morrer.

Fonte da PSP explica ao Observador que a causa das duas mortes está ainda a ser investigada. Sabe-se que o filho tinha sido diagnosticado com Covid-19 a 20 de dezembro. O comandante dos bombeiros da Amadora confirmou mais tarde à SIC Notícias que também o pai estava infetado, isto é, que ambas as vítimas estavam referenciadas pelo INEM como “positivos Covid-19”.

Não há, nesta altura, nenhum dado que relacione a infeção com o que aconteceu — nem com qualquer outra causa de morte, já que não foram encontrados indícios óbvios de crime ou de intoxicação por monóxido de carbono, uma hipótese que chegou a ser colocada.

Ao Observador, o comandante dos bombeiros, Mário Conde, tinha explicado isso mesmo: “Não sabemos a causa dos óbitos. Procedemos à abertura de porta com socorro, a pedido, eventualmente, de algum popular”. Também não havia sinais de violência, disse a mesma fonte.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O homem de 42 anos foi diagnosticado com Covid-19 a 20 de dezembro e esteve internado até ao dia 24 do mesmo mês, altura em que teve alta. Nessa altura indicou uma morada — diferente daquela em que acabou por ser encontrado este domingo — e um número de telefone, através dos quais poderia continuar a ser acompanhado pelas autoridades de saúde. Os técnicos de saúde pública, porém, nunca conseguiram contactá-lo e, por isso, o caso acabou por ser comunicado à PSP. Como a morada não correspondia a local onde o homem efetivamente estava, a polícia também não o conseguiu localizar ou chegar a qualquer contacto.

As autoridades sublinham que até serem feitas as autópsias não é possível apontar qualquer causa de morte.

No local estiveram 16 operacionais dos Bombeiros da Amadora, da PSP e do INEM, apoiados por seis viaturas. Os corpos foram levados para o Instituto de Medicina Legal.