A Câmara de Braga aprovou, com reservas da oposição, uma ajuda de 10 mil euros à Casa do Minho do Rio de Janeiro, para a ajudar a ultrapassar as dificuldades decorrentes da pandemia de Covid-19.

O PS, pela voz do vereador Artur Feio, disse que no partido “nunca ninguém tinha ouvido falar” daquela instituição e questionou qual a finalidade do apoio e qual a disponibilidade do município para conceder iguais apoios ao tecido associativo do concelho “que passa por tantas dificuldades”.

De igual modo, a vereadora da CDU, Bárbara Barros, alertou que a decisão “abre um precedente”, obrigando o município a acudir a situações idênticas registadas no seio associativo concelhio. No entanto, a proposta foi aprovada por unanimidade.

O presidente da Câmara, Ricardo Rio, disse que se trata de “um apoio excecional a uma associação em dificuldades”, sublinhando que a Casa do Minho no Rio de Janeiro se viu obrigada a fechar as suas portas nos últimos meses, deixando por isso de ter receitas próprias para assegurar o seu normal funcionamento, designadamente para pagar aos funcionários.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Acrescenta que a situação pode mesmo levar ao encerramento da instituição, “o que teria um impacto muito negativo em toda a comunidade minhota no Brasil”.

A proposta levada a reunião do executivo vinca o “trabalhão” desenvolvido pela instituição na promoção da região do Minho.