456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Número de internados com Covid-19 é o mais baixo desde o Natal

Este artigo tem mais de 1 ano

Direção-Geral de Saúde conta 2.767 doentes internados (567 em cuidados intensivos), o valor mais baixo desde o Natal. Menos óbitos (50) mas número de novos casos volta a subir (para 1.480).

PORTUGAL-HEALTH-VIRUS-HOSPITAL
i

Número de internados é o mais baixo desde o que havia a 25 de dezembro.

AFP via Getty Images

Número de internados é o mais baixo desde o que havia a 25 de dezembro.

AFP via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Direção-Geral de Saúde (DGS) contava à meia-noite desta quarta-feira 2.767 doentes internados com Covid-19 em todo o país, o número mais baixo desde o Natal. Ainda assim, apesar de ter baixado em 30, o número de doentes em cuidados intensivos continua acima de 500 (567). Por outro lado, embora nas últimas 24h tenha havido menos óbitos (50), o número de novos casos voltou a subir, para 1.480.

Estes são alguns dos principais destaques do boletim diário divulgado pela DGS esta quarta-feira, um documento que também demonstra que se passou a marca dos 800 mil casos de Covid-19 registados em Portugal, até ao momento. Entre esses 800.586 doentes, 709.054 já terão sido considerados recuperados pelas autoridades de saúde – só nestas 24 horas foram mais 3.078 casos considerados recuperados, fazendo baixar o número de casos ativos em 1.648, para 75.396 pessoas.

Desde 3 de janeiro que não havia menos de 3.000 pessoas internadas com Covid-19, na contagem nacional, sendo que o número desta quarta-feira é o mais baixo desde os 2.754 internados que havia a 25 de dezembro.

Entre estes doentes internados, estão 567 em unidades de cuidados intensivos, o que compara com os 597 da véspera. A contagem desta quarta-feira, sobre os doentes em cuidados intensivos, corresponde ao valor mais baixo desde 11 de janeiro.

O número de novos casos compara mal, porém, com a véspera: 1.480 contra os 1.032 do dia anterior. Ainda assim, sendo conhecida a tendência para a oscilação dos números nos diferentes momentos da semana, regista-se que esta foi a quarta-feira com menos novos casos desde 7 outubro (944).

Nestas mesmas 24 horas houve, também, 50 mortes cuja causa foi atribuída à doença causada pelo novo coronavírus, menos do que as 63 da véspera. Esta foi contagem de óbitos mais baixa desde 8 de novembro. Todos os 50 óbitos registados nas últimas 24h dizem respeito a pessoas com mais de 60 anos.

Na faixa etária dos 60-69 houve cinco mortes registadas no país e houve 11 óbitos de pessoas com idades entre os 70 e os 79 anos. Os restantes óbitos estão relacionados com pessoas que tinham mais de 80 anos.

E foi, de longe, na região de Lisboa e Vale do Tejo que houve mais mortes com Covid-19 – 31 pessoas. As restantes dividem-se entre 7 no norte, 7 no centro, 4 no Alentejo e uma na Madeira.

Também em termos geográficos, mas na contagem de diagnósticos, verifica-se que mais de metade dos novos casos detetados estão em Lisboa e Vale do Tejo, 52% do total. Foram 772 infeções confirmadas na região que inclui a capital do país, face ao total de 1.480 novos casos a nível nacional.

A segunda região com mais doentes diagnosticados foi o norte do país, com 327, seguidos pelos 198 novos casos no centro do país. A estes juntam-se 84 casos no Alentejo, 51 no Algarve, 45 na Madeira e 3 nos Açores.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.