Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Embora ainda se encontre em lista de espera, João Loureiro já tem bilhete de avião para regressar a Portugal, escreve o Jornal de Notícias. O regresso não será, no entanto, tão célere quanto isso — o ex-presidente do Boavista Futebol Clube não deverá conseguir aterrar em Portugal antes da próxima semana.

João Loureiro, que era um dos passageiros do avião com destino a Portugal que ficou retido a 9 de fevereiro no aeroporto da Bahia após ter sido encontrada meia tonelada de cocaína na fuselagem da aeronave, ainda não fez o teste de despiste à Covid-19, essencial para poder chegar ao país de origem — o teste tem de ser feito 72 horas antes da entrada em Portugal e ser negativo.

Em entrevista ao Observador, a Polícia Federal afirma que “todos são suspeitos” e que está a fazer análises para descobrir origem da droga e perícias a telemóveis, incluindo o de João Loureiro.

Coordenador da Polícia Federal sobre jato onde seguia João Loureiro: “A investigação começou com a apreensão, mas esse não é o nosso fim”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A procura tem sido bastante superior à oferta de voos vindos do Brasil e destinados à Europa na sequência das novas variantes do coronavírus. Por enquanto, João Loureiro espera por uma data concreta de maneira a viajar. Sabe-se que os membros da tripulação da aeronave onde foi descoberta a cocaína já foram ouvidos e regressaram à Europa.

Depois de ser ouvido durante várias horas, João Loureiro sai em liberdade e pode voltar a Portugal

Já antes o Observador explicou que, de acordo com a lei brasileira, os responsáveis por transporte de carga ilícita desta natureza poderão responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico — a pena, em cúmulo jurídico, pode chegar a 25 anos de prisão.