Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 1848, o filósofo e escritor Henry David Thoreau passou uma noite na cadeia de Massachussets por se recusar a pagar impostos, dado que o dinheiro resultante destes iria subsidiar a guerra que os Estados Unidos combatiam a sul com o México pelos territórios da Califórnia, do Novo México e do Texas, de forma a aumentar a área dedicada a atividades esclavagistas. Em resultado dessa noite, Thoreau escreveria Desobediência Civil, que mais tarde viria a influenciar ativistas como, por exemplo, Gandhi ou o reverendo Martin Luther King Jr.

Há, contudo, uma certa universalidade em Desobediência Civil que leva a que a ideologia aí manifesta possa, sem grande esforço, ser apropriada por causas políticas diametralmente opostas (desde o anarquismo ao conservadorismo mais ortodoxo, passando por negacionistas da Covid ou movimentos anti-racistas), tornando-se Thoreau assim, em muitos casos, numa espécie de santo, ainda que apóstata, de todos estes credos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.