Não se sabe que tipo de vacina tomaram ou quantas doses terão recebido. Certo é que o ex-presidente norte-americano Donald Trump e a sua mulher, Melania Trump, tomaram as vacinas contra a Covid-19 em janeiro, antes de deixar a Casa Branca.

Quem o revelou foi um assessor do antigo presidente a vários meios de comunicação como o The New York Times ou a CNN. Enquanto outras personalidades como o atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a vice-presidente Kamala Harris e o ex-vice-presidente Mike Pence optaram por tomar as vacinas em público, num apelo à confiança nas vacinas, o casal Trump optou por ser vacinado discretamente em janeiro.

Donald e Melania Trump estiveram infetados com a Covid-19 durante a campanha presidencial de 2020 — o ex-presidente chegou mesmo a estar internado. No final de dezembro, a CNN tinha revelado que Trump não iria receber a vacina contra o novo coronavírus até que fosse recomendada pela equipa médica da Casa Branca.

A revelação foi feita pouco depois de, no passado domingo, Trump ter feito o primeiro discurso após abandonar a Casa Branca, na Conferência de Ação Política Conservadora de 2021, na Florida — onde deixou no ar uma possível candidatura às eleições presidenciais de 2024 e defendeu que “todos deveriam ter a sua oportunidade” para tomar a vacina. Este apelo marcou uma mudança no discurso de Trump que, enquanto presidente, foi sempre subestimando a gravidade do vírus.

Trump ameaça recandidatar-se e vencer os democratas “pela terceira vez”