Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O procurador espanhol da área do ambiente, Antonio Vercher, abriu uma investigação às alegadas práticas de crueldade animal num laboratório de investigação da capital espanhola, depois de uma denúncia feita pela associação Cruelty Free Internacional, noticiou o jornal El País.

Em causa estarão vídeos alegadamente captados por um antigo funcionário da Vivotecnia, entre 2018 e 2020, e que já fizeram com que o governo regional de Madrid suspendesse a atividade do laboratório depois de uma inspeção ao local, por “infração gravíssima às normas que regulamentam o uso de animais de laboratório para ensaios clínicos”, noticiou o jornal El Mundo.

Após a verificação da existência desses fatos, a atividade de investigação foi imediatamente suspensa, temporariamente, com a proibição expressa de realização de novos projetos com animais”, explicou o governo regional em comunicado.

A empresa alemã Vivotecnia realiza estudos de segurança e toxicidade de fármacos e biocidas, para as indústrias cosmética, química e agroquímica, usando macacos, porcos, cães, coelhos, ratazanas e ratos. As imagens divulgadas mostram uma clara violação das boas práticas de experimentação animal: maus tratos aos animais, sofrimento e stress desnecessário, ofensas físicas e verbais e até atos indignos, como desenhar nos genitais de um macaco que estava preso pelos braços e pernas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O diretor executivo da empresa, Andres König, garantiu ao jornal The Guardian que a Vivotecnia cumpre a legislação europeia e se preocupa com o bem estar animal. “Todo o nosso corpo técnico é treinado de acordo com a portaria ECC/566/2015, temos processos e protocolos para controlar o cumprimento do código de conduta interno, que é monitorizado por uma cadeia de comando, a unidade de garantia da qualidade, os veterinários e o comité de ética, bem como por auditorias de clientes e autoridades”, respondeu Andres König ao The Guardian.

Num comunicado divulgado este sábado, e citado pelo El País, o diretor executivo da empresa alemã disse: “Algumas imagens são especialmente chocantes para mim, pois vão diretamente contra os protocolos escritos da empresa que todo o pessoal envolvido deve conhecer e respeitar”. À hora de publicação deste artigo, o site da empresa estava inacessível, com a mensagem de que estaria “em manutenção”.

Os animais que se encontravam no laboratório espanhol estão agora sob a supervisão das autoridades de Madrid, receberam cuidados veterinários e serão acolhidos em casas abrigo para serem, posteriormente, adotados.