O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, saudou esta terça-feira os muçulmanos em Portugal por ocasião do início do Ramadão, enviando-lhes “as mais fraternas saudações, na partilha dos valores universais da tolerância e da paz”.

“Ao iniciar-se a celebração do Ramadão, saúdo muito calorosamente as comunidades islâmicas radicadas em Portugal e todos os seus membros”, escreveu o chefe de Estado, numa mensagem publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet.

Nesta nota, refere-se que “o Ramadão é o tempo essencial do calendário islâmico, um tempo de disciplina espiritual e de vivência da fé”, e constitui “um momento privilegiado de reconciliação e de paz, de renovação da fé e de prática da caridade, da fraternidade e de valorização da família”.

Essa é a mensagem essencial inscrita no Corão e o ensinamento mais profundo que nos legou o profeta Maomé. É essa a mensagem que as comunidades islâmicas seguem e devem seguir em todo o mundo”, lê-se no texto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Presidente da República termina esta mensagem declarando: “A todos os nossos irmãos muçulmanos envio as mais fraternas saudações, na partilha dos valores universais da tolerância e da paz e no respeito pela diversidade e pelos outros, a quem estamos unidos em comunhão de humanidade”.

Há três anos, Marcelo Rebelo de Sousa juntou-se à comunidade islâmica na Mesquita Central de Lisboa para partilhar o iftar, a quebra do jejum diário no mês do Ramadão, após o pôr-do-sol.

Enquanto partilhava tâmaras e água, descalço, na sala de orações da mesquita, em seu redor dezenas de muçulmanos registavam esse momento simbólico, de telemóveis na mão. “Este é um momento de respeito, solidariedade, partilha, entendimento“, disse, na altura, o chefe de Estado. Portugal tem cerca de 50 mil muçulmanos.

O Ramadão é um período de jejum, que deve ser cumprido entre a alvorada e o pôr-do-sol, e de maior dedicação à espiritualidade, celebrado anualmente no nono mês do calendário islâmico.