As núpcias de Joana Duarte duram há seis meses. Em outubro, a designer brindou-nos com uma coleção girly e floral, repleta de cor-de-rosa e com o reaproveitamento de vestidos de noiva dos anos 80 (os mais informados saberão que todas as criações da Béhen têm origem num processo de upcycling cheio de especificidades).

Agora, o clima foi outro — a apresentar a primeira coleção de inverno na ModaLisboa, o romance deixou de ser fofinho e tornou-se tórrido, aquecido por paragens exóticas e por uma paleta de cores imperiais que não deixam margem para dúvidas. “Quero-te muito”, a coleção que desfilou virtualmente esta quinta-feira, marca o início de uma intensa lua-de-mel.

“É como se os apaixonados fossem viajar por terras distantes e trouxessem tesouros com eles”, explica ao Observador, nitidamente tranquila, depois de ter gravado o desfile há praticamente de uma semana. Ora, no universo Béhen, os tesouros assumem a forma de carpetes, toalhas e colchas de veludo. Do tapete voador de Aladino (com a princesa Jasmine a bordo, afinal continuamos em clima de romance) às Mil e Uma Noites, a designer apostou na continuação de um conto que atravessa estações.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.