Depois da Tesla, agora é a Hyundai-Kia a avançar para a construção de uma rede própria de fornecimento de energia, destinada a servir os seus clientes em condições vantajosas. Sabendo-se que encontrar um posto de carregamento livre e a funcionar correctamente é das tarefas mais difíceis para o utilizador de um veículo a bateria, uma rede própria e exclusiva será cada vez mais um factor diferenciador, que os clientes apreciarão e tenderão a favorecer.

Os veículos eléctricos necessitam tanto de postos de carregamento de energia como os seus rivais com motores a combustíveis fósseis carecem de bombas de gasolina e de gasóleo. Aliás, precisam mais, uma vez que as recargas são muito mais lentas, o que bloqueia o ponto de carga durante mais tempo, limitando a oferta aos outros utilizadores. E vender electricidade é, potencialmente, tão bom negócio quanto transaccionar gasolina.

A Tesla possui de momento 2000 estações de carga rápida com potências de até 250 kW, com 20.000 pontos de carregamento. Em Portugal, segundo o site do construtor, há oito estações com 86 Superchargers, estando em construção mais três estações. Paralelamente, os grupos VW, BMW, Mercedes, Hyundai Kia e Ford aliaram-se para criar a Ionity mas, de acordo com o site do consórcio, ainda só existem 338 estações de carga, sendo que a Ionity possui uma média de pontos de carga por estação muito inferior à Tesla. Isto levou já a que a VW tenha anunciado procurar outras parcerias para incrementar os locais de carga, mas não à custa de uma rede própria e em exclusividade para as suas marcas.

VW: mais postos de carga, menos 5000 trabalhadores

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A decisão agora anunciada pela Hyundai-Kia, que já começou a construir estações de carga na Coreia do Sul sob a marca e-Pit, pretende vir a ser alargada aos restantes mercados onde o grupo comercializa os seus veículos eléctricos. As novas estações devem a sua denominação ao facto de tentarem recordar as boxes da F1, com os carregadores a fornecerem potências de até 350 kW, permitindo atingir 80% da carga em apenas 20 minutos, ou abastecer de electricidade para percorrer mais 100 km em somente 5 minutos.

De momento, estão planeadas para breve as primeiras 20 estações, com um total de 120 carregadores, restando saber quando começarão a servir igualmente os clientes europeus – e portugueses – de ambas as marcas.