Um protesto convocado pela Federação Portuguesa de Tauromaquia (ProToiro) vai decorrer em Lisboa, na quinta-feira, contra a não permissão pelo Governo do retomar das touradas, na atual fase de desconfinamento, devido à pandemia de Covid-19.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a federação que tutela várias entidades ligadas ao setor da tauromaquia indica que o protesto vai decorrer às 11h00 de quinta-feira, em frente ao Campo Pequeno, em Lisboa.

A ProToiro argumenta, no comunicado, que “repudia profundamente” a resolução do Conselho de Ministros, publicada no sábado, que reabre o setor da cultura, mas “exclui” a abertura da cultura tauromáquica, na atual fase do processo de desconfinamento.

Trata-se de uma discriminação inaceitável e arbitrária em relação às outras áreas culturais, repetindo o ataque acintoso do ano passado, aquando da reabertura dos espetáculos culturais”, pode ler-se no documento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para a federação, este é “mais um dos reiterados atos discriminatórios” do Governo para com a tauromaquia, “impedindo o trabalho e sustento de muitos milhares de pessoas” que dependem desta área e que se encontram em “situações muito difíceis”.

Para a ProToiro, “nenhuma razão” pode justificar esta situação. A federação recorda que “a cultura é segura” e que, em 2020, o setor mostrou “com elogio das autoridades”, o cumprimento das normas da Direção-Geral da Saúde (DGS). O setor tauromáquico evoca ainda que as medidas para os espetáculos taurinos “são ainda mais exigentes” do que em outros espetáculos, “não tendo existido nenhum foco de contágio” em corridas de touros em 2020.

Para cúmulo do absurdo, a praça de toiros do Campo Pequeno reabre para dar concertos, mas a mesma praça não pode realizar o fim para que foi construída, dar corridas de toiros”, critica.

A ProToiro relembra também que “já existem normas” da DGS para o setor “há quase um ano”, estando os profissionais da tauromaquia preparados para retomar a sua atividade.

Em comunicado divulgado no domingo, sobre a mesma matéria, o CDS-PP acusou o Governo de discriminar o setor tauromáquico, ao não permitir o retomar das touradas, e afirmou que a situação é tanto mais grave “pelo facto de serem permitidos espetáculos em recintos tauromáquicos”.

Portugal avançou esta segunda-feira para a terceira etapa do desconfinamento com o regresso às aulas presenciais no secundário e no ensino superior e com a reabertura de lojas, restaurantes e cafés. Os equipamentos culturais cujo funcionamento seja admitido podem funcionar até às 22h30 durante os dias de semana e até às 13h00 aos fins de semana e feriados.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.020.765 mortos no mundo, resultantes de mais de 141,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 16.946 pessoas dos 831.221 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.