Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, anunciou recentemente que planeia plantar 50 mil milhões de árvores, espalhadas por todos os estados árabes, para combater as alterações climáticas que estão a deixar as terras da região cada vez menos férteis. Depois de finalizado, será o maior projeto de plantação do mundo.

Ao Arab News, Mohammed bin Salman disse que “como um produtor líder de petróleo ao nível global, o país está “totalmente ciente da responsabilidade em fazer avançar a luta contra a crise climática” e, assim como diz ter “desempenhado um papel de liderança na estabilização dos mercados de energia durante a era do petróleo e do gás”, trabalhará “para liderar a era verde que se aproxima”. O príncipe adiantou que os detalhes dos programas irão ser revelados nos próximos meses.

A medida faz parte das duas iniciativas apresentadas e que visam construir uma nova era de políticas ambientais — Verde Saudita e Verde Oriente Médio —, que têm inseridas, para além da plantação, uma campanha de energia verde que quer reduzir as emissões globais de carbono em 8% e as emissões na região em 60%. Isto implica a produção de 50% de energia verde até 2030. O país pretende, com este projetos, aumentar a sustentabilidade económica e ecológica através dos recursos naturais.

As duas iniciativas nascem dos esforços ambientais que a Arábia Saudita já desenvolveu nos anos anteriores enquanto trava  batalhas contra a desertificação, a pouca chuva e as tempestades de poeira. O país engloba muitos dos maiores, mais secos e também mais quentes desertos do mundo — o que a torna particularmente vulnerável às alterações climáticas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR