O cabeça de lista do BE à Câmara de Vila Nova de Gaia, Renato Soeiro, defendeu este domingo “uma maior pluralidade” no executivo para concretizar o “momento histórico” de viragem nas políticas de habitação.

“Pensamos que uma maior pluralidade dá uma vida mais saudável ao executivo municipal. A nossa aposta é numa esquerda mais plural, porque assim será mais viva, com mais debate e mais capaz de abrir novos caminhos para enfrentar as dificuldades atuais”, sustentou o cabeça de lista do BE à Câmara de Gaia, no distrito do Porto, nas eleições autárquicas de 26 de setembro.

A Câmara de Gaia é atualmente liderada pelo PS, que conquistou, nas autárquicas de 2017, nove mandatos, sendo oposição no executivo o PSD, com dois eleitos.

Para Renato Soeiro, Portugal atravessa um “momento histórico de viragem das políticas de habitação” após o “falhanço” do Estado nesta área.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Neste momento há condições para uma mudança. Há uma nova geração de políticas de habitação que permitirá um apoio substancial, uma oferta pública de habitação, que é uma oferta multidimensional, porque tanto tem a ver com o apoio ao arrendamento, à construção ou à venda”, salientou.

O engenheiro civil vincou que há em Gaia “muita necessidade” nesta área e que a estratégia local de habitação já aprovada, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de 154 milhões de euros, tem agora de ser concretizada.

E acrescentou que se o BE irá participar, ou não, na aplicação destas políticas, isso dependerá dos eleitores, através da eleição, pela primeira vez, de vereadores para a Câmara de Gaia, onde “de facto se executa”.

Renato Soeiro identifica também a área dos transportes como “um problema sério” em Gaia, defendendo a criação de transportes municipais como complemento às outras redes.

“Não é que não tenhamos transportes, e temos alguns de qualidade e outros nem tanto, mas temos muitas zonas de Gaia sem transportes ou com transportes altamente insuficientes em termos horários ou regularidade”, explicou.

Para o bloquista, as soluções existentes têm de ser melhoradas mas não resolvem o problema no imediato.

“Isto resolve-se de uma forma eficaz e rápida através da criação de transporte municipal como complemento às outras redes. As pessoas precisam do serviço agora e pode ser solucionado através de carrinhas pequenas, mais simples de organizar, fazendo a ligação às zonas mais bem servidas”, concretizou.

“Só com esse complemento municipal, a somar aos outros, é que nós podemos ter um território minimamente coberto”, disse ainda.

São candidatos à Câmara de Vila Nova de Gaia o atual presidente Eduardo Vítor Rodrigues (PS), Vítor Marques (coligação Movimento por Gaia — MPT/PDR), Diana Ferreira (CDU), Renato Soeiro (BE), Alcides Couto (Chega), Cancela Moura (PSD/CDS-PP/PPM), Nuno Gomes de Oliveira (PAN), Orlando Monteiro da Silva (Iniciativa Liberal) e Ana Poças (Livre).