O trânsito está caótico no Porto por estes dias. São longos minutos para distâncias curtas e carros que não avançam nas mais importantes vias da cidade. Perante tanto tempo passado no carro, e se há uns anos muito do pulso da população se media dentro de um táxi, o Observador adaptou esse barómetro aos condutores de Uber. Durante as duas semanas de campanha eleitoral as deslocações dos jornalistas no Porto foram feitas de através de Uber, o que permitiu perceber como se vivia as autárquicas naquele pequeno universo, fora das campanhas eleitorais, longe dos candidatos, das bandeiras e dos slogans.

O Uberómetro do Observador (conseguido com testemunoas anónimas e dos quais vamos usar apenas o primeiro nome) é quase unânime: Rui Moreira é o melhor entre os candidatos que estão na corrida, o caso Selminho deixa alguns condutores de pé atrás e o crescimento do turismo é a grande crítica apontada ao atual presidente de câmara e recandidato ao cargo.

A pergunta repetiu-se ao longo de vários dias e de várias viagens: “Então, como o que acha das eleições autárquicas aqui no Porto?”

Vasco foi um dos que respondeu com mais certezas: “Rui Moreira é excelente, desenvolveu o Porto de uma forma que ninguém tinha conseguido fazer”, começa por apontar, ao dizer que é “apolítico” por não gostar da “guerra de partidos”. Aliás, o motorista acredita que o atual presidente da câmara do Porto só conseguiu mudar o Porto “por não estar agarrado a partidos”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.