Lucianne Walkowicz, astrónoma da NASA, decidiu demitir-se na terça-feira, depois de a agência arquivar uma petição para que o Telescópio Espacial James Webb não tivesse o nome do diretor da agência nos anos 60. Razão para novo batismo do maior telescópio? James Webb teria políticas homofóbicas, segundo o grupo de astronómos que teve a iniciativa, recorda o El País.

A cientista, que fazia parte da Comissão Consultiva de Astrofísica explicou os seus motivos numa publicação na sua página do Patreon:

Renuncio ao meu posto no dia em que a NASA decidiu enviar, por correio eletrónico, a uns quantos jornalistas escolhidos a dedo, a sua posição patética em relação à mudança do nome do JWST (Telescópio Espacial James Webb). A NASA está a enviar uma mensagem clara quanto à sua postura acerca dos direitos dos astrónomos queer [identidade sexual ou de género que não corresponde ao tradicionalmemte convencionado], o que me diz que não merece, claramente, o meu tempo”.

Em março, Lucciane Walkowicz, que se enquadra como queer, tinha-se juntado aos cientistas Chanda Prescod-Weinstein, Sarah Tuttle e Brian Nord para escrever um artigo na revista Scientific American, em que pediam que a NASA reconsiderasse a sua posição em relação ao nome do telescópio que permitirá ver a luz das primeiras galáxias. Cerca de 1.200 pessoas assinaram a petição que resultou desse texto.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.