Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Havia no final de outubro quase 24 mil vagas por preencher nos centros de emprego públicos, segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) citados pelo Diário de Notícias esta terça-feira.

Estas são vagas que não estão a ser preenchidas porque não há interessados ou porque escasseiam as qualificações pedidas. Segundos os dados, as atividades imobiliárias, administrativas e serviços de apoio, comércio, alojamento e restauração são os setores onde há mais ofertas de emprego disponível.

No total, são 23,6 mil ofertas de emprego, um dos níveis mais elevados de sempre – o máximo histórico foi atingido em meados de 2017, quando havia 24,6 mil vagas por preencher, numa fase de expansão da economia no período pós-troika.

Desempregados inscritos nos centros de emprego recuam 12,9% homólogos em outubro

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego recuou em outubro 12,9% em termos homólogos e 2,1% face a setembro, segundo os mesmos dados divulgados na terça-feira pelo IEFP.