Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Autoridade Tributária fizeram buscas nos estádios do Sporting de Braga e do Vitória de Guimarães na tarde esta quarta-feira, confirmou o Observador. O empresário Bruno Macedo também foi alvo de buscas, que foram lideradas pelo juiz de instrução criminal Carlos Alexandre.

As buscas resultaram na constituição de cinco arguidos, três pessoas e duas empresas, segundo confirmou o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) em comunicado. O mesmo organismo confirmou ainda que foram realizadas “duas dezenas de buscas” em diferentes localizações.

O DIAP acrescentou ainda que estão em causa a alegada prática de “crimes de fraude fiscal, fraude à segurança social e branqueamento de capitais” e desvios de cerca de 15 milhões de euros.

Em causa estão suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de capitais que estarão relacionadas com a Operação Fora de Jogo. A Guarda Nacional Republicana (GNR) também participou nas buscas em vários distritos, nomeadamente no Porto e Braga, confirmou fonte oficial à CNN Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Sporting de Braga já reagiu e confirmou a realização das buscas nas suas instalações e garantiu ter colaborado com as autoridades. “A SC Braga, SAD e os seus responsáveis estão totalmente seguros da lisura dos atos de gestão praticados”, garante o clube em comunicado, acrescentando que toda a sua documentação  “é perentória quanto ao detalhe de cada operação realizada por esta Sociedade e por todos os seus responsáveis”.

Bruno Macedo, advogado e empresário do universo futebolístico, foi detido no âmbito da Operação Cartão Vermelho e é suspeito de ser testa de ferro de Luís Filipe Vieira, ex-presidente do Sport Lisboa e Benfica. Em causa neste investigação estão alegadas irregularidades na transferência de jogadores.

Operação Fora de Jogo. Desvio das receitas das transferências sob investigação

A Operação Fora de Jogo começou com indícios de um esquema generalizado de fraude fiscal e branqueamento de capitais nos principais clubes de futebol portugueses. O Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) abriu uma investigação em cooperação estreita com a Autoridade Tributária e está a analisar desde há vários anos as principais transferências de jogadores de futebol das SAD’s do Benfica, Porto, Braga e de outros clubes da I Liga.

Existem também suspeitas do alegado desvio de receitas das SAD’s dominadas por Benfica, FC Porto, Sporting e Sporting de Braga para terceiros — alegadamente para representantes dos próprios clubes e empresários de futebol. Os caso que visam Luís Filipe Vieira e Jorge Nuno Pinto da Costa têm precisamente essa suspeita central.

Operação Cartão Azul. Pinto da Costa suspeito de desviar fundos da SAD do Porto

A reconstituição dos circuitos financeiros das várias dezenas de transferências de jogadores que estão a ser analisadas pelos investigadores tem permitido reforçar os indícios que levaram à abertura da investigação. Para tal, tem sido essencial a cooperação judiciária internacional com Espanha, Inglaterra e Suíça que, através do envio de informação bancária das transferências e, tão importante quanto isso, dos nomes dos beneficiários económicos das sociedades offshore envolvidas nas transferências.