Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A pandemia trouxe-nos situações inesperadas. De repente, ir a casa de um amigo jantar ou visitar os pais ou os avós deixou de ser assim tão simples. O conflito de agendas é, agora, dos últimos problemas porque primeiro está a segurança de todos. Numa altura em que os portugueses assistem ao desconfinar progressivo das suas vidas, há novas dúvidas que surgem: afinal, é indelicado recusar um convite de um familiar ou de um amigo por receio de contágio? Que regras de boa conduta se aplicam neste contexto?

Essas e outras questões — que derivam de um novo contexto social que surgiu com a Covid-19 e que tanto remetem para regras de etiqueta, como para questões elementares de saúde pública — são respondidas com a ajuda de três nomes: Eunice Gaspar, jornalista e autora do “Livro de Etiqueta” (Guerra e Paz), lançado no mercado dias antes da declaração do estado de emergência, Vasco Ribeiro, especialista em etiqueta e autor do livro “Etiqueta Moderna” (Contraponto), e Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.