816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

GettyImages-2152531471
i

Protestos na capital, Tblisi, esta quarta-feira contra a aprovação da lei de agentes estrangeiros

AFP via Getty Images

Protestos na capital, Tblisi, esta quarta-feira contra a aprovação da lei de agentes estrangeiros

AFP via Getty Images

Geórgia. A lei "russa" que compromete o caminho europeu do país e o aproxima de Putin (e levou milhares, mesmo com medo, às ruas)

Aprovação da lei de agentes estrangeiros — conhecida como "lei russa" — preocupa Bruxelas e pode colocar em risco adesão da Geórgia à UE. País gira como um "pêndulo entre democracia e autoritarismo". 

    Índice

    Índice

Confrontos físicos entre deputados no parlamento. Milhares de georgianos a protestar nas ruas envergando bandeiras da União Europeia (UE). Vários dirigentes ocidentais apreensivos. Nenhum destes fatores impediu, esta terça-feira, a aprovação da proposta de lei dos “agentes estrangeiros” pelo Parlamento da Geórgia, numa legislação que tem sido comparada à que vigora na Rússia e que foi adotada por Vladimir Putin, em 2012.

84 deputados votaram a favor, todos aqueles que integram a coligação (formada entre o partido Sonho Georgiano e o Partido do Povo) que governa com maioria absoluta o país do Cáucaso, de 3,7 milhões de habitantes. Foi o suficiente para que tenha sido dada luz verde à proposta de lei, apesar do contra de 31 parlamentares. O primeiro-ministro, Irakli Kobakhidze, celebrava o que diz ser a consolidação de um Estado “livre, soberano e digno”, garantindo que a sociedade georgiana apoiava a legislação. Apesar das críticas, o chefe do executivo assegurava ainda que, em 2030, a Geórgia “tornar-se-á definitivamente um Estado-membro da UE”.

Contudo, Bruxelas e Washington estão preocupados e não escondem o incómodo desta legislação “típica do Kremlin”. A proposta de lei prevê que as Organizações Não Governamentais (ONG) e os meios de comunicação sociais independentes que recebam mais de 20% do seu financiamento de outros países se registem como “agentes de influência estrangeira”. A imprensa estrangeira e as ONGs nesta situação passam, assim, a ser monitorizadas permanentemente pelo Ministério da Justiça — e podem ser obrigadas a partilhar detalhes confidenciais se o governo georgiano o requerer. Se se opuserem a estas condições, estão a sujeitas a pagar uma multa na ordem dos 25 mil laris georgianos (cerca de 8.600 mil euros).

A lei que permite “monitorizações” após “denúncias anónimas” que está assustar várias ONGs

Em declarações ao Observador, Levan Kakhishvili, analista político e investigador no think tank European Politics Research Group com sede em Zurique, na Suíça, dá mais detalhes sobre a lei: “Potências estrangeiras incluem qualquer governo estrangeiro, qualquer pessoa que seja estrangeira, qualquer entidade legal ou outros tipos de organizações que são fundadas fora da Geórgia”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A lei permite que o governo conduza a monitorização de certas organizações partindo de uma decisão do Ministério da Justiça ou após uma denúncia anónima a cada seis meses”, prossegue Levan Kakhishvili, acrescentando que essa monitorização pode dar informações do foro íntimo ao governo georgiano sobre “as pessoas que estão ligadas à organização”.

[Já saiu o primeiro episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui.]

Estes mecanismos funcionam como uma forma de coação e colocam em risco o trabalho das ONGs e meios de comunicação social. Uma das organizações que já protestou é a Sociedade Internacional de Eleições Livres e Democracia, que supervisiona os atos eleitorais na Geórgia. Nino Dolidze, diretora da organização, que é financiada parcialmente pelos Estados Unidos e pela União Europeia, contou à Euronews que preconiza que, quando a lei entrar em vigor, a associação terá de ser encerrada, por ser contra a “dignidade” da ONG e pôr em risco a vida das pessoas que lá trabalham. “Não haverá uma organização de sociedade civil na Geórgia a escrutinar o governo.”

"A lei permite que o governo conduza a monitorização de certas organizações partindo de uma decisão do Ministério da Justiça ou após uma denúncia anónima a cada seis meses"
Levan Kakhishvili, analista político e investigador no think tank European Politics Research Group

Em desacordo com a lei, várias organizações ameaçam sair da Geórgia, ou então não se registarem junto ao governo — e poderem sofrer consequências legais decorrentes dessa ação. “Nunca, nunca me vou registar como agente estrangeiro”, garantiu, à Agence France-Presse, Baia Pataraia, diretora de uma organização que apoia as mulheres que sofrem violência doméstica e discriminação — e que recebe alguns fundos estrangeiros. “Tudo o que faço é pelo meu povo, pelo meu país e não o faço definitivamente em nome de ninguém.”

Na mesma situação está Nato Shavkaladze, diretora de uma ONG que dá guarida a pessoas que fogem de ambientes familiares marcados pela violência doméstica. Com quartos para proteger atualmente 20 mulheres, a responsável sublinha à Agente France-Presse a importância da ajuda estrangeira. “Israel doou um frigorífico”, exemplifica, acrescentando ainda que o chão de uma das habitações da ONG foi renovado com fundos da embaixada polaca e outras obras foram financiadas pelo Japão. “Estamos a falar de algo que protege vidas”, insiste, que não olha com otimismo para o futuro: “Se não nos registarmos, vamos deixar de existir”.

O Instituto de Imprensa Internacional também enviou uma carta a Irakli Kobakhidze a pedir ao primeiro-ministro georgiano que deixasse cair a lei dos agentes estrangeiros. “Ameaça a viabilidade dos órgãos de comunicação social independentes”, lê-se na missiva, que explica que a legislação “providencia às autoridades uma ferramenta poderosa para descredibilizar, pressionar e eventualmente silenciar vozes independentes, ameaçando por isso a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão”.

"Tudo o que faço é pelo meu povo, pelo meu país e não o faço definitivamente em nome de ninguém"
Baia Pataraia, diretora de uma organização que apoia as mulheres que sofrem violência doméstica e discriminação

Levan Kakhishvili não tem, por isso, quaisquer dúvidas que esta proposta de lei tem como “objetivo descredibilizar os críticos das políticas do governo, limitando direitos e liberdades”: “Mina, por conseguinte, os princípios básicos da democracia e tem potencial para manter no poder o atual governo”.

Por sua vez, Ana, georgiana a viver no estrangeiro que prefere não revelar o seu apelido, conta ao Observador que o governo da Geórgia está a tentar fazer passar a mensagem que a legislação aprovada é idêntica à norte-americana. Em 1938, para tentar evitar que entrasse propaganda nazi nos Estados Unidos, o Congresso norte-americano decidiu aprovar a legislação que obriga a que todos os governos estrangeiros, organizações ou indivíduos que estejam envolvidos em atividades de lobbying em favor de uma potência estrangeira se registem no Departamento de Justiça.

Segundo Ana, o governo da Geórgia apresenta este exemplo para comprovar que existe uma lei idêntica no Ocidente e que não está a fazer nada que vá contra os valores ocidentais. No entanto, entre os críticos, não é essa a perceção que prevalece, que apontam que a legislação norte-americana visa simplesmente promover a transparência. “As pessoas são espertas o suficiente e entendem que não é nada similar”, vinca a georgiana.

epa07664621 (FILE) The President of Georgia's Parliament, Irakli Kobakhidze delivers a speech to the participants of a high-level Interparliamentary Conference, in Chisinau, Moldova, 02 March 2018 (reissued 21 June 2019). According to reports, the speaker of Georgian parliament Irakli Kobakhidze has resigned on 21 June after violent protest at the Parliament last night in which about 240 people were injured. Thousands of protesters, amid widespread public anger, attempted to storm Georgia's Parliament on 20 June evening during a mass rally against a visit and speech inside the chamber by Sergei Gavrilov, member of the Russian lower house of parliament. Tensions escalated when Gavrilov addressed an assembly of MPs from Orthodox Christian countries from the speaker's seat, media reported. Russia and Georgia have not had diplomatic relations since 2008 over the Abkhazia and South Ossetia conflict.  EPA/DUMITRU DORU

Irakli Kobakhidze, primeiro-ministro da Geórgia

DUMITRU DORU/EPA

A integração europeia da Geórgia — que pode estar mais longe. E até pode haver sanções

Ao Observador, Ana não esconde que quer que o seu país integre a União Europeia. “Quero que o meu país seja parte da Europa. Ganhámos o estatuto de candidato, mas vai prejudicar a imagem [da Geórgia] na UE”, desabafa. O apoio popular às aspirações europeias da generalidade dos georgianos foi um dos motivos que terá levado Bruxelas a agir e a conceder aquele estatuto a Tbilisi.

“A Comissão recomenda dar o estatuto de candidato à Geórgia, no pressuposto de que o governo executa reformas importantes”, escreveu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na sua conta do X (antigo Twitter) a 8 de novembro de 2023. Essas reformas devem, de acordo com a líder comunitária, “espelhar as aspirações genuínas da esmagadora maioria dos seus cidadãos que se querem juntar à União Europeia”.

Era uma espécie de aviso a Ursula von der Leyen ao governo georgiano, que já na altura discutia a possibilidade de adotar a lei dos agentes estrangeiros. A população, segundo uma sondagem publicada em dezembro de 2023 pelo Instituto Nacional Democrático, estava a favor da adesão à UE: cerca de 79% dos georgianos querem a integração na União Europeia, um respaldo bastante significativo.

A aprovação controversa do projeto de lei desagradou claramente a União Europeia. Num comunicado assinado pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell é categórico: “A UE clara e repetidamente declarou que o espírito e conteúdo da lei não estão em linha com os valores e normas fundamentais da União Europeia. Vai minar o trabalho da sociedade civil e dos meios de comunicação sociais independentes”.

De forma clara, Josep Borrell assumia claramente que a “adoção desta lei” tem um “impacto negativo” no progresso da Geórgia rumo à União Europeia. “A escolha para continuar o caminho da UE está nas mãos da Geórgia”, sublinhou o chefe da diplomacia europeia, que insistiu para que as autoridades do país do Cáucaso “desistam” do projeto de lei e mantenham “o compromisso com o caminho para a União Europeia”, assim como o empenho em levar a cabo “as reformas necessárias”. “A União Europeia continua pronta para apoiar os georgianos no caminho de um futuro europeu.”

O comunicado partiu do gabinete de Josep Borrell na quarta-feira, apesar de a maioria das famílias políticas no Parlamento Europeu (populares, socialistas, verdes e liberais) ter pedido uma ação mais musculada, segundo apurou o jornal Politico: querem que o chefe da diplomacia europeia comece a preparar “sanções” contra os políticos pertencentes ao Sonho Georgiano que aprovaram a lei. No lote, está o primeiro-ministro.

epa11297023 High Representative of the European Union for Foreign Affairs and Security Policy Josep Borrell speaks during a debate on 'Iran's unprecedented attack against Israel, the need for de-escalation and an EU response' at the European Parliament in Strasbourg, France, 24 April 2024. The EU Parliament's current plenary session runs from 22 until 25 April 2024.  EPA/RONALD WITTEK

Josep Borrell condenou aprovação da lei de agentes estrangeiros na Geórgia, admitindo que coloca a Geórgia mais longe da adesão à UE

RONALD WITTEK/EPA

Além disso, a resposta de Josep Borrell terá demorado mais do que o desejado para vários eurodeputados. Isto porque, antes daquele momento, ter-se-á tentado elaborar um comunicado coletivo da União Europeia para contestar a aprovação da proposta de lei. Porém, o Politico escreveu que a Hungria e a Eslováquia bloquearam essa iniciativa e coube ao chefe da diplomacia europeia emitir o documento.

Muito mais empenhados do que os eslovacos e os húngaros nesta questão estão os ministros dos Negócios Estrangeiros dos países Bálticos — Estónia, Letónia e Lituânia. Os três chefes de diplomacia (juntamente com o da Islândia) viajaram a Tbilisi esta quarta-feira e reuniram-se com as autoridades georgianas. O lituano, Gabrielius Landsbergis, escreveu no X que a lei de agentes estrangeiros “é incompatível com padrões da UE”: “Esta lei não pode ser consertada, porque está fundamentalmente partida”.

Os Estados Unidos estão igualmente apreensivos. Em visita a Tbilisi, o secretário de Estado assistente dos assuntos europeus e eurasiáticos, James O’Brien, deu uma conferência de imprensa na terça-feira, em que expressou o seu descontentamento com o projeto de lei. O norte-americano lembrou que, desde a independência da União Soviética, os EUA têm sido um “parceiro” da Geórgia, apoiando a sua adesão quer à União Europeia, quer à NATO. “Valorizamos essas relações.”

GettyImages-2149801886

James O'Brien lamentou lei de agentes estrangeiros e disse que poderia haver consequências negativas nas relações entre a Geórgia e EUA

Global Images Ukraine via Getty

As boas relações entre a Geórgia e os Estados Unidos podem agora estar em risco, principalmente por culpa da lei de agentes estrangeiros. James O’Brien pressionou mesmo para que haja modificações à legislação; se existem, haverá o “fortalecimento” dos laços entre Tbilisi e Washington. Se não, o relacionamento entre os dois países pode mesmo ficar “danificado”: “É o que eu temo que esteja a acontecer agora”.

De forma cristalina, o diplomata norte-americano expôs que, se a lei for avante e se continuar a haver uma espécie de hostilidade do governo georgiano face ao norte-americano, a relação estará em risco. “Os Estados Unidos têm cerca de 390 milhões de dólares [cerca de 359 milhões de euros] em assistência que estaríamos a planear gastar com as autoridades da Geórgia. Metade em assistência militar e um pouco mais de um terço em projeto de desenvolvimento económico”, recordou James O’Brien, alertando: “Tudo isto tem de ser revisto se somos agora considerados adversários e não parceiros”.

Não foi só a pressão económica que está a ser equacionada pelos Estados Unidos. Estão a ser igualmente estudadas “restrições financeiras e de viagens aos indivíduos responsáveis por estas ações e as suas famílias”. A aprovação final da lei pode, assim, modificar por completo as relações diplomáticas entre a Geórgia e o Ocidente.

Presidente da Geórgia, Salome Zurabishvili, já garantiu que vai vetar a lei

ADAM BERRY/EPA

No entanto, não será para já. O projeto de lei será vetado inicialmente. A Presidente georgiana, a independente Salome Zurabishvili, já assegurou que vai exercer o poder de veto, sendo completamente contra a legislação. Não terá grande efeito prático, ainda assim. Após o veto, a lei volta ao parlamento e basta uma maioria simples para ser aprovado. Ciente disto, a Chefe de Estado defendeu, numa entrevista à Deutsche Welle, que o veto é um “símbolo” que se opõe “às leis, às medidas e à retórica que está a afastar a Geórgia do caminho europeu”.

O distanciamento da UE e dos EUA e a aproximação à Rússia

A aprovação da lei dos agentes estrangeiros coloca a Geórgia em rota de colisão com as autoridades europeias e norte-americanas. Isso aproxima o país do Cáucaso da sua vizinha Rússia, com que mantém uma relação conturbada. Moscovo invadiu partes do território georgiano em 2008 e tentou anexar as províncias da Ossétia do Sul e da Abecásia. Dezasseis anos depois, e mesmo depois da invasão da Ucrânia, os dirigentes georgianas já não olham com tanta animosidade para o Kremlin.

“A União Europeia declarou várias vezes que esta lei é incompatível com a legislação da UE e pode levar a impedir a abertura de negociações de adesão da Geórgia. Como resultado, a Geórgia encontrar-se-á numa situação de isolamento face aos parceiros ocidentais e isso empurrará o país para os braços da Rússia, deixando Tbilisi a sós com Moscovo”, explica Levan Kakhishvili.

GettyImages-1211697186

Tropas georgianas em 2008 a defenderem a Ossétia do Sul

AFP via Getty Images

Ainda que assuma um posicionamento pró-europeu e advogue publicamente a entrada da Geórgia na União Europeia, o partido Sonho Georgiano foi fundado em 2012 pelo empresário Bidzina Ivanishvili, conhecido pelas suas ligações a Moscovo. Bastante discreto, o antigo primeiro-ministro georgiano entre 2012 e 2013 fez um comício no final de abril em que atacou duramente as ONGs, financiadas por uma “pseudo elites alimentadas por países estrangeiros”.

Adicionalmente, Bidzina Ivanishvili criticou duramente o Ocidente e o que diz ser o “partido da guerra global”, que está a controlar o Parlamento Europeu. “Eles tentaram interferir descaradamente nos assuntos georgianos”, acusou o homem, que tem uma fortuna avaliada nos 4,5 mil milhões de euros: um terço do PIB da Geórgia.

O magnata desvinculou-se da política ativa há uns anos. Mas apenas da cena pública; nos bastidores é Bidzina Ivanishvili quem controla o partido Sonho Georgiano. “Não é nenhum segredo que todo o poder está concentrado nas mãos de Ivanishvili”, disse ao jornal Guardian Kornely Kakachia, membro do think tank Georgian Institute of Politics.

Bidzina Ivanishvili é o homem que controla nos bastidores o partido Sonho Georgiano

Vano Shlamov/AFP/Getty Images

O partido no poder na Geórgia está nas mãos de um homem que tem fortes ligações à Rússia. E não só. A antiga ministra da Defesa georgiana, que foi membro do Sonho Georgiano, Tina Khidasheli, disse ao The Guardian que Bidzina Ivanishvili “adora o poder” e controla o país como se fosse uma “casa de bonecas” — e que esteve pessoalmente envolvido na aprovação da lei dos agentes estrangeiros. Tende ainda a acreditar, segundo a ex-governante, em “teorias da conspirações” — tais como que existe um “partido da guerra global”.

A Rússia não esconde que vê com bons olhos a aprovação da lei de agentes estrangeiros, claramente inspirada na legislação russa adotada em 2012. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, elogiou o “desejo firme da liderança georgiana em proteger o seu país da interferência nos seus assuntos internos”. Um mês antes, o responsável da presidência russa já tinha classificado como “absurdo” tratar-se de um “projeto russo” ou mesmo de inspiração russa.

Ao Observador, Levan Kakhishvili discorda e traça vários paralelismos entre as duas leis, lembrando o respaldo russo à aprovação do projeto de lei. E teme pelo futuro, olhando para o que se passou em território russo. “Dada a trajetória da mesma lei na Rússia, é provável que versão georgiana possa tornar-se a base para novas violações de direitos humanos e de liberdades”, numa passo que o especialista definiu como sendo rumo ao “autoritarismo”.

"Dada a trajetória da mesma lei na Rússia, é provável que versão georgiana possa tornar-se a base para novas violações de direitos humanos e de liberdades"
Levan Kakhishvili, analista político e investigador no think tank European Politics Research Group

Num país mais autoritário, é “maior o risco de isolamento dos parceiros ocidentais”, salienta Levan Kakhishvili. A Geórgia estará, por este motivo, mais “próxima da Rússia” em termos ideológicos: “Será de esperar que governos autoritários tenham interesses semelhantes em manterem-se no poder e a apoiarem-se cada vez mais”.

Como explicar esta aproximação da Geórgia à Rússia, tendo em conta que há 16 anos o país foi invadido por tropas russas? Ana relata que existem duas versões que circulam na sociedade georgiana. “Há pessoas que pensam como eu, pessoas mais jovens. Não querem ser parte da Rússia. A Rússia é o nosso inimigo. Estudámos e lemos sobre isso. A Rússia é o nosso inimigo número um. É um facto”, explica a georgiana, dando a conhecer a outra versão: “Na opinião de outras pessoas, a Rússia não é um inimigo. Existe a ideia de que se vivia com liberdade na União Soviética. E que os russos são bons com os georgianos, sentem-se próximos deles”.

"Há pessoas que pensam como eu, pessoas mais jovens. Não querem ser parte da Rússia. A Rússia é o nosso inimigo. Estudámos e lemos sobre isso. A Rússia é o nosso inimigo número um. É um facto"
Ana, uma jovem georgiana, ao Observador

Os protestos nas ruas de Tbilisi e a esperança da oposição: as eleições em outubro

As ruas da capital georgiana encheram-se de milhares de pessoas para protestaram contra a aprovação da lei de agentes estrangeiros na última terça-feira. E não foi um evento único. Se bem que o diploma tenha sido apenas aprovado esta terça-feira, houve avanços e recuos do governo georgiano pelo menos nos últimos dois anos. Sempre que havia discussões para a sua aprovação, existiam manifestações em frente ao parlamento.

As manifestações travaram inicialmente a aprovação da lei, mas o governo ignorou a revolta nas ruas e finalmente deu luz verde. O resultado? Milhares de pessoas protestaram em frente à sede do executivo georgiano com bandeiras da União Europeia e até da Ucrânia. Uma das organizadoras dos protestos, Natia Seskuria, disse à BBC que os georgianos vão “protestar o tempo que for necessário”, uma vez que paira uma “ameaça existencial” sobre a sobrevivência do país.

A viver no estrangeiro, Ana está “orgulhosa” por os georgianos estarem a sair às ruas e a protestar. “Vejo nas redes sociais os meus amigos a manifestarem-se”, assinala. Porém, nem todos os críticos da lei estão dispostos a marcarem presença em protestos. “Alguns dos meus amigos estão a trabalhar para o governo e nem sequer podem partilhar uma publicação nas redes sociais contra lei”, ou correm o risco de ser despedidos.

GettyImages-2152570666
Os protestos em Tbilisi
Anadolu via Getty Images
GettyImages-2152423789
Os protestos em Tbilisi
AFP via Getty Images
GettyImages-2152430290
Os protestos em Tbilisi
Anadolu via Getty Images

Ana recorda um exemplo: um professor de uma universidade “partilhou algumas publicações” contra o governo e a criticar a lei dos agentes estrangeiros nas redes sociais e, no dia a seguir, “teve de deixar o seu trabalho”. “Algumas pessoas estão assustadas, mas algumas não têm medo e não têm nada a perder.”

Entre aqueles que não têm nada a perder estão os mais jovens. Ana refere que maior das pessoas que protestam são da “geração Z”, entre os 15 e os 27 anos, que se mobilizam nas redes sociais. “Os millennials e as gerações mais velhas têm medo, por exemplo, de perder o emprego”, aponta. Com um suspiro, espera que as coisas mudam na Geórgia. “Quero regressar ao meu país, ter um emprego e viver livremente. Mas as coisas devem mudar.”

A 26 de outubro de 2024, as coisas podem efetivamente mudar. A Geórgia tem planeado realizar eleições parlamentares naquela data. O triunfo do atual partido originará inevitavelmente a aprovação da lei dos agentes estrangeiros, enquanto a vitória da oposição provavelmente levará à sua reversão.

epa10511941 Supporters of Georgian opposition parties take part in the opposition rally n front of the Parliament building in Tbilisi, Georgia, 09 March 2023. The Georgian authorities have withdrawn from the parliament the law on foreign agents, which provoked mass protests in the country. In Georgia, on the night of March 7-8, mass protests began against the law on foreign agents. The opposition promises to continue protests until the authorities release all those detained at rallies against the law on foreign agents.  EPA/ZURAB KURTSIKIDZE

Georgianos vão às urnas em outubro de 2024 e podem mudar de governo

ZURAB KURTSIKIDZE/EPA

Levan Kakhishvili sinaliza igualmente que a adoção da lei é “especialmente problemática” num contexto pré-eleitoral, podendo mesmo alterar o desfecho das eleições. O especialista frisa ainda que esta lei não é sobre “transparência”, mas antes sobre o partido Sonho Georgiano “manter-se no poder”. A dimensão da política externa — e a inclinação a tender para Bruxelas ou para Moscovo — é apenas uma questão acessória. O que está realmente em causa é “o sistema político georgiano” que, neste momento, gira “como um pêndulo entre a democracia e autoritarismo”. 

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos