Rio é igual a Sá Carneiro? A história e as lições da última grande cisão no PSD /premium

13 Agosto 20181.254

Quando foi eleito, Rio lembrou a última cisão no PSD, comparando-se a Sá Carneiro. Mas a História não foi bem assim. Agora que Santana sai, convém saber o que aconteceu. E porquê. Por Miguel Pinheiro.

Desde o início, parecia que Rui Rio queria repetir a História. Aliás, se olharmos bem para o calendário, não foi desde o início: foi desde antes do início. Quando já tinha sido eleito mas ainda não assumira a liderança do PSD, Rio deu uma entrevista à RTP durante a qual, confrontado com a oposição interna, lembrou que, no seu tempo, Sá Carneiro “perdeu meio grupo parlamentar” numa cisão traumática: “Era a mesma coisa que daqui por dois meses metade do grupo parlamentar demitir-se e sair do partido”.

Não foram dois meses, foram oito. E não foi metade do grupo parlamentar, foi apenas, para já, Pedro Santana Lopes, que nem sequer é deputado — se bem que, como se sabe, uma parte substancial do grupo parlamentar social-democrata resiste a Rio, oscilando entre a sombra e a comunicação social. Mas, com esta saída de Santana, toda a gente começou subitamente a falar, como Rui Rio, da última cisão no PSD. Há, porém, um problema. Como se percebeu pelas declarações à RTP, Rio  sente que, com esta divisão no partido, está, de alguma forma, a encarnar o espírito de Sá Carneiro — Sá Carneiro foi contestado e Rio é contestado; logo, Rio é igual a Sá Carneiro.

Mas a História é ao contrário. Se olharmos para os factos, percebemos que a cisão de 1979 aconteceu por razões exactamente opostas às que estão a dividir o PSD hoje em dia. Os críticos atuais atacam Rio porque é demasiado elogioso para o PS de António Costa; os críticos de 1979 atacavam Sá Carneiro porque ele era demasiado violento com o PS de Mário Soares. Os críticos atuais atacam Rio porque apoia os acordos de regime; os críticos de 1979 atacavam Sá Carneiro porque não apoiava o “consenso” do regime, que ia dos socialistas ao Presidente Eanes. Os críticos atuais atacam Rio porque admite que a direita funcione como um apoio dos socialistas numa “geringonça” ao centro; os críticos de 1979 atacavam Sá Carneiro  porque insistia que a direita podia — mais: devia — governar sozinha.

A cisão no PSD de Sá Carneiro aconteceu por razões opostas às que estão a dar problemas a Rui Rio

No início de 1979, começou a tornar-se impossível protelar mais a cisão dos críticos, que ficaram conhecidos pelo nome “inadiáveis”. Os “inadiáveis” próximos do PS já não acreditavam em Sá Carneiro: o Conselho Nacional de 13 e 14 de Janeiro de 1979 decidiu retomar os contactos para um acordo tripartido PSD-PS-CDS, mas as supostas tentativas de aproximação do líder do partido a Mário Soares foram vistas como simples manobras dilatórias destinadas a esconder o verdadeiro objectivo, uma aliança apenas com o CDS. Os “inadiáveis” próximos de Ramalho Eanes já não precisavam de Sá Carneiro: protegidos pela Presidência da República, fizeram várias reuniões, uma delas em Rio Maior, onde conspiraram abertamente pela criação de um novo partido eanista. E os “inadiáveis” que oscilavam entre Soares e Eanes já não podiam com Sá Carneiro: entendiam que ele era o único obstáculo a um gradual e pacífico desbloqueio do sistema político.

Sá Carneiro não queria saber de gradualismos e estava pouco preocupado em parecer pacífico. No final de 1978, convidou Marcelo Rebelo de Sousa, que hoje se preocupa com a paz à direita mas que na época era outro crítico potencial, para fazer consigo um projecto de revisão constitucional que pretendia acelerar a mudança do regime. Durante mais de um mês, reuniram-se duas a três vezes por semana na casa de Sá Carneiro para prepararem o livro que seria editado pela Dom Quixote em Janeiro de 1979 com o título “Uma Constituição para os Anos 80”.

O resultado foi visto como uma prova de radicalismo: entre muitas outras coisas, a nova Constituição acabaria com a obrigatoriedade de transição para o socialismo, aumentaria a margem de manobra da iniciativa privada, faria alterações na Reforma Agrária, consagraria o referendo, agilizaria as possibilidades de revisão constitucional, extinguiria o Conselho da Revolução e tiraria todo o poder político aos militares. Numa frase: acabaria com a revolução socialista.

Quando chegou a hora de votar, Sá Carneiro ficou à espera dos deputados sociais-democratas, mas, para sua surpresa, dos 73 só apareceram 32. E apenas 27 aceitaram as suas indicações de voto.

Em Fevereiro de 1979, Sá Carneiro preparou-se para o confronto com o seu grupo parlamentar, algo que faz Rio entrar numa escalada de comparações. Ficou decidido num Conselho Nacional que o sentido de voto do partido na Assembleia da República seria sempre definido pela Comissão Política Nacional e não pelos deputados. Na prática, isto forçava os “inadiáveis”, em maioria no grupo parlamentar, a optarem pela submissão ou pela dissidência.

Não era uma verdadeira opção. Até porque os incentivos à cisão vinham de todos os lados: da Presidência da República, que queria liquidar Sá Carneiro e enfraquecer os partidos; do PS, que queria domesticar de uma vez os sociais-democratas; e do CDS, que, através de Adelino Amaro da Costa e de Basílio Horta, mantinha contactos regulares com os “inadiáveis” e imaginava ser finalmente possível encolher o PSD e tornar-se no segundo maior partido português (o sonho de Assunção Cristas não nasceu hoje — como se vê, nasceu ontem).

Antes da AD, o plano de Amaro da Costa era incentivar cisões no PSD que permitissem ao CDS ser o maior partido da direita

O pretexto para o confronto seria a apresentação do Orçamento do Estado e das Grandes Opções do Plano pelo governo de iniciativa presidencial que era liderado por Mota Pinto, um histórico do partido que deixara o PSD na sua primeira grande cisão e se aproximara de Eanes. Sá Carneiro já decidira que o PSD se deveria abster, a não ser que o governo aceitasse algumas condições. Logo que isto foi conhecido, percebeu que Mota Pinto o estava a tentar cercar. O primeiro-ministro chamou a São Bento vários dirigentes do partido para que eles convencessem o líder do PSD a mudar de ideias; e enviou Álvaro Barreto, um dos seus ministros, que, além de ser militante social-democrata, mantinha relações de amizade com Sá Carneiro, falar directamente com ele. Chocaram todos contra uma parede.

Perante isto, restava preparar o embate. Na véspera da votação no parlamento, Sousa Franco, um dos líderes dos “inadiáveis”, escreveu um artigo no Correio da Manhã onde defendia que a aprovação do Orçamento e do Plano era uma “questão de bom senso” e que o chumbo seria um “acto irresponsável e reprovável”. No dia seguinte, anunciaria nos corredores de São Bento que “a democracia estava em perigo com a queda de Mota Pinto”.

Sá Carneiro não se impressionou e manteve a sua posição. O PSD iria abster-se, a não ser que o governo aceitasse três mudanças: acabar com o tecto de 18% no aumento da massa salarial, suprimir o imposto extraordinário sobre os rendimentos do trabalho e cumprir a Lei das Finanças Locais. Comunicou pessoalmente essa decisão ao grupo parlamentar e insistiu nestes pontos até aos últimos momentos da discussão na Assembleia da República, a 22 de Março de 1979, num discurso que não foi aplaudido pelos “inadiáveis”.

Quando chegou a hora de votar, aconteceu exactamente aquilo que Rui Rio lembrou na entrevista à RTP. Sá Carneiro ficou à espera dos deputados sociais-democratas, mas, para sua surpresa, dos 73 só apareceram 32. Havia 36 que tinham decidido ficar fora do hemiciclo e cinco estavam ausentes. Dos 32, dois votaram a favor do Plano e outros três, num total de cinco, a favor do Orçamento. Apenas 27 obedeceram a todas as ordens de Sá Carneiro e abstiveram-se nas duas votações. Naquela noite, Mário Soares não resistiu a observar de perto o rosto do seu adversário. Mais tarde, confessaria ter ficado “impressionado”: no meio de um “momento dramático”, ele tinha ficado “imperturbável”.

As cartas de demissão começaram a chegar à sede do partido, como agora chegou a de Santana Lopes. Umas eram mais sucintas, outras violentas: António Rebelo de Sousa (irmão de Marcelo) escreveu contra aqueles que "alimentam o seu ressabiamento pessoal com ódio a tudo o que signifique ponderação".

A seguir, tudo se precipitou. Sousa Franco aumentou a violência dos seus ataques nos jornais. Num artigo publicado a 26 de Março, defendeu ser este o momento de “esmagar politicamente os semeadores de ventos e os palhaços que, com os seus números de circo, vêm perturbar o começo de qualquer trabalho de reconstrução nacional”.

Sá Carneiro reprovou esta “crítica descabelada” e vingou-se no Conselho Nacional da Guarda, no fim-de-semana de 31 de Março e 1 de Abril. Num dos pontos das conclusões, Sousa Franco era convidado a desvincular-se do partido; noutro, era retirada a confiança política à direcção e à comissão permanente do grupo parlamentar.

Fracassaram todas as tentativas de conciliação. Foram três: uma, na véspera do Conselho Nacional, em casa de Cunha Leal; outra, na tarde de domingo; a última, durante um almoço que juntou apenas Sá Carneiro e Magalhães Mota. Ainda houve mais uma reunião com o grupo parlamentar na véspera da cisão, às 10h30 de 3 de Abril – mas já foi um mero pretexto para lamúrias, sem qualquer hipótese de reconciliação. Os “inadiáveis” queixaram-se de estarem a ser vítimas de “perseguições, insultos e calúnias”.

Só restava, de facto, uma saída para a crise: 37 deputados do PSD pediram no parlamento a sua passagem a independentes. No grupo incluíam-se António Rebelo de Sousa (irmão de Marcelo), Sousa Franco, Cunha Leal, Sérvulo Correia e Magalhães Mota (um dos três fundadores do partido). Seguir-se-iam vários outros militantes em todo o país, como Jorge Miranda, Rui Machete, Ernâni Lopes e António Leite de Castro. E ainda 65 jovens da JSD.

As cartas de demissão começaram a chegar à sede do partido, como agora chegou a de Santana Lopes. Umas, mais violentas: António Rebelo de Sousa escreveu contra aqueles que “alimentam o seu ressabiamento pessoal com ódio a tudo o que signifique ponderação” e acusou Sá Carneiro de ter transformado o PSD num “feudo”. Outras, mais sucintas: Rui Machete limitou-se a justificar a sua decisão com a vontade de evitar a “quebra” da sua “dignidade” e “coerência política”. Outras ainda, como a de Magalhães Mota, absolutamente secas: “Nos termos legais e estatutários aplicáveis, venho comunicar por este meio a minha renúncia à qualidade de membro do Partido Social-Democrata, de que sou militante n.º 2”.

Magalhães Mota (na foto, entre Cunhal e Soares) foi um dos dissidentes de 1979. Tinha sido um dos três fundadores do PSD

Por razões afectivas, esta última carta foi a que mais lhe custou ler. Sá Carneiro desabafou com a secretária, Conceição Monteiro:

– O Joaquim, Conceição, o Joaquim também… Não esperava isto dele.

Com isto, restavam apenas 36 deputados a Sá Carneiro: o seu grupo parlamentar era subitamente menor do que o do CDS e menor do que o dos “inadiáveis”. Começou imediatamente a ser escrito o seu obituário político. Ninguém acreditava que ele sobrevivesse a uma dissidência desta dimensão. Os rumores de uma “actividade exuberante” no parlamento insistiam na formação de um novo partido presidencial, promovido por Eanes e Mota Pinto: além dos “inadiáveis”, incluiria alguns socialistas e até alguns centristas. Já circulavam nomes para esta formação política: chamar-se-ia Partido Reformador ou Partido Nacional Independente. E até houve planos para mudar a mobília: o partido eanista sentar-se-ia no hemiciclo entre os deputados do PS e os que restassem do CDS, deixando, provocatoriamente, o PSD de Sá Carneiro na extrema-direita da sala.

Depois da cisão, Sá Carneiro estava sozinho na sede do PSD. Só aparecera Santana Lopes. Quando Snu lhe telefonou. preocupada, respondeu: "O que é que queres que eu te diga? Nunca estive tão sozinho, mas nunca tive tanta certeza de que tenho razão".

Estas fantasias eram levadas a sério por muita gente, convencida de que tinha chegado o fim do líder do PSD. O próprio sentira isso mesmo poucas horas depois da votação do Orçamento do Estado do governo Mota Pinto. A seguir a ser abandonado pelos seus próprios deputados, que recusaram sentar-se ao seu lado no hemiciclo, ficou sozinho. Na manhã seguinte, chegou à sede do partido e apenas tinha à sua espera Conceição Monteiro. Balsemão telefonou, para saber se Sá Carneiro queria fazer alguma declaração que pudesse aparecer na primeira página do Expresso. E Lucas Pires passou por lá para lhe dar um abraço – do PSD, ninguém. Só apareceu Pedro Santana Lopes, que trabalhava de perto com Sá Carneiro e agora está no centro de uma outra divisão no partido. No pesado silêncio da sede, o telefone tocou. Era Snu Abecassis, preocupadíssima.

Conceição Monteiro passou a chamada para o gabinete e Santana Lopes preparou-se para sair e deixar Sá Carneiro à vontade. Ele fez-lhe sinal para que ficasse. Atendeu. Do outro lado, Snu perguntou-lhe como é que estava tudo. Fez uma pausa e respondeu:

– O que é que queres que eu te diga? Nunca estive tão sozinho, mas nunca tive tanta certeza de que tenho razão.

E tinha. Acabara de perder metade do seu grupo parlamentar, mas aquilo que soava a humilhação era afinal uma demonstração de força. A cisão dos “inadiáveis” parecia catastrófica, mas valia zero. Poucos meses depois, Sá Carneiro faria o contrário daquilo que Rui Rio pretende hoje: uniria toda a direita na Aliança Democrática; e, antes que 1979 chegasse ao fim, conseguiria a primeira maioria absoluta da democracia. O PSD podia, finalmente, governar sem o PS.

Percebe-se que Rui Rio goste desta história — há coragem, heroísmo e superação. Mas convém contá-la bem.

Miguel Pinheiro é autor da biografia “Sá Carneiro” (Esfera dos Livros) e parte substancial deste texto é uma adaptação de um capítulo do livro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo
123

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
290

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)