Reportagem na província de Ninawa, Iraque

Ao longo da estrada de pedras e terra batida, da mesma cor desértica que caracteriza o Médio Oriente rural, a vida normal desenrola-se num cenário de guerra desolador. Num antigo cinema, cuja fachada ainda está cravejada de buracos de balas de metralhadora, um cartaz promete a reabertura e o regresso aos filmes orientais em breve. Num apertado café recheado de televisores, jovens adolescentes entretêm-se com videojogos futebolísticos. Ao lado, numa esplanada de romantismo improvisado, onde não há duas cadeiras iguais, casais de namorados conversam e bebem cafés. No topo da rua, num grande parque infantil, dezenas de crianças disputam a sua vez de utilizar um velho escorrega, sob o olhar atento dos pais. São nove da noite em Qaraqosh, a maior cidade cristã do Iraque, a 15 quilómetros de Mossul, e só agora os termómetros descem para temperaturas suportáveis, permitindo que quem ali vive possa, finalmente, sair à rua.

[Veja aqui a reportagem em vídeo na planície de Nínive]

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.