Pfizer/BioNTech, Moderna e Janssen. São estas as três vacinas contra a Covid-19 já aprovadas pela agência do medicamento dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA). As três estão a ser administradas aos cidadãos do país, após autorização de emergência. A primeira dessas autorizações chegou mesmo a 11 de dezembro de 2020, para o medicamento da Pfizer, e uma semana depois chegava a autorização para a Moderna. No final de fevereiro deste ano, a autoridade do medicamento dava luz verde ao fármaco desenvolvido pela Jonhson & Johnson.

Não é verdade, por isso, que a Food and Drug Administration se tenha recusado a aprovar o uso das vacinas contra o novo coronavírus. Ainda menos se pode afirmar que “a FDA não autorizou nem nunca vai autorizar” esses fármacos, uma vez que já estão em uso após aprovação da entidade.

Então o que justifica a publicação em análise?

O post faz-se acompanhar de um vídeo, em que é possível ouvir a intervenção do comissário da FDA, Stephen Hahn, numa sessão conjunta da taskforce da Casa Branca de combate à pandemia nos Estados Unidos. O médico, que deixou de fazer parte do organismo em janeiro deste ano, deixava nesta intervenção garantias sobre a aprovação (ou recusa) das autorizações para uso das vacinas por parte do regulador norte-americano.

Mas o vídeo não é recente. Data de setembro de 2020, altura em que ainda não estava aprovada qualquer vacina contra a Covid-19. A sessão deste comité está disponível na íntegra aqui e a intervenção do médico começa pelos 49 minutos do vídeo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O trecho que é utilizado na publicação não contém, em si, a ideia de que a autoridade se recusaria a aprovar os fármacos contra a Covid-19. É, sim, a garantia de que esses pedidos de aprovação seriam recusados caso não cumprissem os requisitos propostos pelo regulador.

No fim, a FDA não vai autorizar ou aprovar uma vacina que não nos deixe confortáveis ​com a ideia de a administrarmos às nossas próprias famílias.

Em nome desta equipa de mais de mil funcionários, quero comprometer-me com os americanos: A FDA não autorizará ou aprovará vacinas contra a covid-19 que não cumpram os rigorosos requisitos de segurança e eficácia das agências. As decisões para autorizar ou aprovar qualquer vacina ou terapêutica vão ser tomadas por uma equipa especializada da FDA. As nossas decisões serão tomadas com base na ciência e em processos de revisão minuciosos.

A FDA não vai permitir qualquer pressão de ninguém no sentido de mudar esses critérios. Vou lutar pela ciência, Sr. presidente [do comité de peritos]… vou lutar pela integridade da agência e vou colocar o interesse do povo americano antes de qualquer outra coisa. Obrigado, aguardo pelas vossas questões.” – Stephen Hahn, setembro de 2020

Esta foi a intervenção “aproveitada” para a publicação do Facebook que aqui analisamos. Além de não provar a premissa em causa — de que a FDA recusou e irá recusar, em absoluto, o uso das vacinas contra a Covid-19 —, trata-se de uma pequena parte do discurso do responsável da FDA. Noutra parte da intervenção é ainda mais percetível a disponibilidade para aprovar os fármacos. Fica claro que, mediante o cumprimento dos requisitos propostos, a agência está a preparar-se para aprovar ou autorizar o uso de emergência das vacinas.

Quando uma farmacêutica chegar à conclusão de que os dados obtidos durante os ensaios clínicos de Fase 3 são adequados para os requisitos da FDA, decidem se devem solicitar a aprovação ou autorização de emergência. Esta decisão será baseada na relação entre os resultados dos ensaios clínicos e os critérios de sucesso estabelecidos pelas farmacêuticas. Mas também é importante ter em conta que esses critérios têm de bater certo com as recomendações da FDA. A agência vai receber essa inscrição da vacina e os nossos cientistas vão rever todos os dados — de segurança, eficácia, qualidade da produção e consistência dos dados. A FDA fez recomendações claras a 30 de junho sobre a segurança e eficácia das vacinas para que esses passos já estejam cumpridos ainda antes do processo de aprovação.
(…)
Antes de discutirmos [a aprovação], a FDA tem que determinar, entre outras coisas, se os requisitos legais foram cumpridos. Esperemos que isso seja demonstrado com base em dados consistentes de pelo menos um ensaio clínico de Fase 3, bem desenhado, que demonstre segurança e eficácia de forma clara e convincente.” – Stephen Hahn, setembro de 2020

Conclusão

Fica claro que o especialista Stephen Hahn está a elencar, nesta intervenção, os requisitos necessários à aprovação da vacina, e não a recusar essa aprovação. Até porque, como hoje sabemos, há três vacinas com luz verde da agência norte-americana do medicamento.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge