A publicação surgiu nas redes sociais, mais concretamente no Facebook, depois de ser conhecida a notícia que dava conta dos primeiros contratos públicos de fornecimento de milhares de computadores destinados a alunos abrangidos pela Ação Social Escolar. Com a informação do portal Base, o site que reúne todos os contratos públicos, era possível concluir que o Estado tinha pagado a três empresas cerca de 62,5 milhões de euros, acrescido de IVA, por mais de 250 mil portáteis, unidades 4G, auscultadores com microfone e mochilas.

Na publicação de um utilizador do Facebook, porém, lia-se: “Aquisição de computadores pelo Ministério da Educação. Mentem todos os dias… Os computadores só foram encomendados no dia 20 deste mês … Como é que dizem que existiu falha na entrega de computadores se nem sequer estavam encomendados! Mentem constantemente e a Comunicação Social noticia sem confirmar!”. A afirmação foi publicada com uma imagem do portal Base com a listagem dos vários concursos e onde foi sublinhada a data de 21 de janeiro de 2021,  correspondente a um desses contratos referentes à “Fase 1 – Aquisição de computadores portáteis e demais equipamentos” pela empresa Informantem-Informática e Manutenção SA — um contrato no valor de cerca de 14,8 milhões e euros –, como se vê nesta imagem:

A imagem que aparece na publicação da rede social Facebook

No entanto, ao clicar nesta alínea para saber mais sobre o contrato em questão percebe-se que esta data de 21 de janeiro de 2021 (e não 20, como sugere a publicação na rede social Facebook) corresponde à data de publicação no portal Base propriamente dito — o que normalmente não é a data do contrato, porque o contrato é colocado nesta plataforma mais tarde.

E, ao tentar saber mais informações sobre este contrato, através deste mesmo site, percebe-se também que, afinal, o contrato foi sim celebrado a 31 de dezembro de 2020, como se pode ver nesta imagem que aqui reproduzimos:

Informação com a data do contrato e com os concorrentes

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas mais. Ao olharmos para esta informação, percebemos que a empresa Informantem, que o Observador apurou ter mais de dez anos, ganhou o concurso público ao qual também concorreram a Meo, a Claranet Solutions SA e a Inforlândia. E que o próprio concurso até fora aberto em outubro e o seu prazo foi prorrogado até novembro, como também pode confirmar aqui:

Imagem do Diário da República com a prorrogação do prazo do concurso

Conclusão

É falso que os computadores adquiridos pelo Ministério da Educação para os profissionais e alunos que não disponham de material informático, fundamental para o ensino público à distância, só tenha sido encomendado a 20 de janeiro e que tanto o Governo como a própria Comunicação Social estejam a cometer um erro na data. Na verdade, o contrato celebrado foi publicado na plataforma online para os contratos públicos a 21 de janeiro (um de vários desses contratos). E até já tinha sido celebrado a 31 de dezembro. Mesmo o concurso que lhe deu origem fora aberto em outubro (embora o seu prazo tenha sido depois prorrogado de acordo com uma publicação em Diário da República para novembro). Pelo que a afirmação que circula nas redes sociais não corresponde à verdade.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

NOTA: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook

IFCN Badge