Rádio Observador

Política

A direita em crise?

Autor
  • Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

O que significa isto? Que os partidos que se não reclamam do socialismo perderam votos nas eleições europeias? É certamente verdade. O partido socialista está perto de uma situação em que pode escolher quem quiser para parceiro parlamentar ou governamental ou até ficar sozinho. É um facto. Isto significa o fim da direita?

Vejamos: a direita liberal está em franco progresso na medida em que as ideias que defende são cada vez mais património comum. Ganha na medida em que a esquerda cedeu o terreno tradicional em que se refugiava. A direita liberal ocupou definitivamente o terreno da economia e da vida social. Desde a ruidosa queda do muro de Berlim que assim é. Ninguém discute que o mercado é o meio indiscutível da decisão económica, que os métodos de cálculo económico próprios das empresas privadas são os melhores, coisa que até os técnicos do orçamento do Estado sabem, que as empresas têm de gerar lucro, que o mérito deve ser o critério da contratação e que a liberdade de fronteiras e de costumes é um valor essencial. Ninguém contesta isto. Que a partir daqui e no terreno social se deva inverter a óptica e guardar lugar para serviços públicos vocacionados para a prestação barata de utilidades aos mais desfavorecidos também ninguém contesta. Nem o próprio A. Smith se opunha. É uma evidência moral.

O que ganhou, portanto, a direita liberal nestas últimas décadas? Tudo. A começar pela falência da esquerda dirigista e estatizante. Tanto assim foi que hoje é a esquerda socialista a primeira defensora daqueles valores liberais que até há pouco (sobretudo no nosso país) se supunha que fossem exclusivos da direita. É que estes valores não são intransmissíveis. As ideias que a direita liberal sempre defendeu estão mais vivas do que nunca. Está em crise? Não. Quem está em crise é certa esquerda órfã que habita o nosso país.

Se a esquerda soube assimilar o liberalismo o que resta então para a direita? Pouco. Um discurso aderencial dirigido aos eternos insatisfeitos? O nacionalismo político? Este é um caso perdido no nosso país até porque desde o «ultimatum» britânico não existem razões históricas para tanto. O império salazarista era um atentado à lucidez e o apoucado «homo novus» cavaquista à inteligência.

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem ou seja, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias. A direita liberal já habita os sonhos da esquerda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
228

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral
144

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)