Política

A protecção da família em Portugal

Autor
  • Luiz Cabral de Moncada
228

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Muita gente há que se queixa que em Portugal não se protege a família. E com razão: os abonos de família são ridículos, os descontos com as despesas familiares são irrelevantes, as vantagens fiscais das famílias numerosas são inexistentes, nos programas escolares não se valoriza a família, etc…

Mas esta constatação é apenas superficial e mesmo injusta. Não leva em conta que os principais protectores da família em Portugal são os partidos políticos que ocupam o Governo. Logo que tomam posse os Ministros desatam a nomear irmãos, cônjuges e ex-cônjuges, filhos, enteados e primos para os mais diversos lugares na Administração Central do Estado e nas empresas públicas sob o olhar rendido e benevolente do primeiro-ministro e da Assembleia da República. Não há discriminações sexistas nem étnicas. E, note-se, a noção de família é até muito alargada pois abarca parentes até ao terceiro grau e compreende consanguinidades  e afinidades. Tudo cabe no generoso regaço do Governo. O partido socialista e o partido social-democrata rivalizam nas atenções prestadas à família de cada vez que estão no Governo e mesmo outros partidos já dão mostras da atenção comovida que lhe dispensam. Quando na oposição ficam compreensivelmente impacientes, claro está, à espera de vez para lhe demostrarem o seu carinho.

Esta realidade já chegou ao corpo docente das universidades e mesmo aos cursos superiores considerados mais inacessíveis. É que, como toda a gente sabe, a ciência é hereditária e, portanto, proteger a família é velar pela ciência.

São, portanto, injustos os que se queixam da falta de protecção da família no nosso país. Pelo contrário, a família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Não será esquecida pelo poder político.

Fica aqui a proposta de consagração legislativa de quotas obrigatórias para familiares nos lugares disponíveis da Administração, dos institutos e das empresas públicas. O único quesito será a prova da ligação familiar. Os valores da confiança e da proximidade afectiva justificam-nas abundantemente.

A opinião pública está tão habituada a esta realidade que já nem reage e, sendo necessário, até aplaude. Estamos no bom caminho.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)