Politicamente Correto

A ditadura da ideologia de género

Autor
2.730

Não basta votar para dizer que vivemos numa sociedade livre, essa é apenas uma das expressões de liberdade, as restantes estão a ser combatidas pelos promotores da ideologia de género.

A ideologia de género é sem dúvida a ditadura mais forte dos tempos modernos. Sob a capa do politicamente correto e da proteção das minorias, pretende-se implementar o pensamento único. Para a propagação desta ideologia utilizam a única tática de sucesso conhecida: 1. Silenciamento dos opositores; 2. Revisionismo histórico e alteração de conceitos; 3. Doutrinação das massas. O que esta ideologia defende é que ser homem ou mulher é uma construção social e não depende do sexo com que nascemos. Como dizia Simone Beauvoir “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. As consequências da propagação na sociedade desta ideia, aparentemente simples, são incríveis.

1. Silenciamento dos opositores

A campanha de silenciar todos os que pensam de forma contrária é evidente. Recentemente tivemos as reações às declarações do Dr. Gentil Martins e do psicólogo Abel Matos Santos. Devemos distinguir dois grupos distintos. O primeiro é aquele que pretende silenciar através de processos e denúncias classificando as declarações de homofóbicas, discursos de ódio etc; o segundo é aquele que diz defender a liberdade de expressão mas ataca a integridade dos opositores e não o conteúdo, a velha conhecida falácia ad hominem utilizada sempre que os argumentos contrários são inatacáveis (Luís Aguiar Conraria foi particularmente longe, sugerindo que o Dr. Gentil Martins tem o seu intelecto afetado, confundindo a perda natural de faculdades físicas com intelectuais e sugerindo que o que move Abel Matos Santos é ser homofóbico).

Este grupo de indignados e ofendidos é o mesmo que ignora quando este ano a comunidade homossexual, bissexual, intersexo etc, sai às ruas de Lisboa em festa com a catástrofe de Pedrógão já a acontecer e com mortos anunciados, numa demonstração clara de insensibilidade e alucinação social. Ignoram quando nessa “festa”, a tolerante e sofisticada comunidade acusa uns barbeiros de fascistas e apela à sua morte (o vídeo está aqui).

Devemos também relembrar que este grupo de indivíduos são os mesmos que não hesitam em dizer “Eu sou Charlie”. São os mesmos que defendem aquela publicação que constantemente promove insultos e ataques gratuitos à comunidade Cristã. Mas para esses não há lugar à indignação. Os ataques aos cristãos são sempre enquadrados na liberdade de expressão. Defender a dignidade das comunidades? Depende.

Em Espanha foi impedido de circular um autocarro da organização Hazte Oir que tinha a seguinte mensagem “Os meninos têm pénis, as meninas têm vulva. Que não te enganem. Se nasces homem, és homem. Se és mulher, continuarás a sê-lo”. Esta mensagem foi colocada nas ruas de Madrid como resposta a 150 cartazes da associação de famílias com menores transexuais Chrysallis na qual, com uma imagem de crianças nuas e com genitais trocados, defendiam que “Há meninas com pénis e meninos com vulva”. Esta campanha não foi alvo de censura. A da organização Hazte Oir foi.

Na aberta e tolerante América não faltam casos de processos a pasteleiros e floristas cristãos que se recusam a participar em casamentos homossexuais devido às suas crenças religiosas (). A dona da pastelaria Cakes by Melissa foi condenada a pagar 135 mil USD como reparação dos danos causados a duas lésbicas que sentiram muita ansiedade e stress pela recusa da confeção do bolo. A multa foi paga e a pastelaria fechou.

É preciso combater a liberdade religiosa. Foi assim na ditadura nazi, é assim no comunismo e é assim na ditadura da ideologia de género.

2. Revisionismo histórico e alteração de conceitos

George Orwell na sua obra prima 1984, descreveu de forma exemplar este fenómeno de revisionismo histórico. O protagonista do livro é um funcionário do Ministério da Verdade e tem como função alterar toda a história para garantir que o Estado nunca se engana. Por exemplo, se as previsões de produção de um determinado bem falharam, todos os arquivos são revistos para ou diminuir ou igualar a previsão, garantindo assim que a produção ou foi excedida ou foi exatamente a prevista pelo Governo.

O argumento para desclassificar os atos homossexuais como uma patologia segue o mesmo racional de revisionismo histórico. Tipicamente é apontado que desde os anos 70 a homossexualidade deixou de ser doença. Convém recordar que o que aconteceu foi que através de uma votação muito disputada a Associação de Psiquiatras Americanos deixou de classificar a homossexualidade como uma doença (que diria Einstein deste extraordinário método cientifico?). Ou seja, somos obrigados a aceitar que a partir desta decisão tomada por votação tudo o que até então era verdade passou a mentira, e que os próprios que votaram contra esta decisão e continuam a não acreditar devem ser desconsiderados.

Relativamente à alteração de linguagem e conceitos, pego novamente no livro 1984. O Estado tinha inventado a “novilíngua” com dois objetivos: limitar a liberdade e influenciar o pensamento. Uma língua em que a mesma palavra podia ter significados opostos (e.g. negrobranco) e outras que assumiam significados opostos ao original (veja-se o lema do partido “Guerra é Paz, Liberdade é Escravidão, Ignorância é Força”). Uma das ideias base da “novilíngua” era de que aquilo que não podia ser descrito por palavras deixava de existir.

O exemplo mais claro da utilização desta tática no âmbito da ditadura da ideologia de género é a passagem da palavra “sexo” para “género”. O sexo refere-se à parte biológica, o género à construção social. Outro exemplo passa pela utilização de adjetivos a classificar conceitos objetivos (e.g. “casamento tradicional”; “família tradicional”), permitindo assim pressupor que há mais variáveis para os mesmos conceitos. São incontáveis os exemplos de alteração da linguagem devido à ideologia de género (há pouco tempo descobri que as pessoas que se identificam com o seu sexo são “cisgénero”).

Esta aberração está na base do inclusivo “Hello Everybody” no metro de Londres em detrimento do discriminatório “Ladies and Gentleman”, garantindo assim uma comunicação mais neutra e menos suscetível aos que não sabem o que são mas que sabem que não são nem Mulheres nem Homens.

3. Doutrinação das massas

Por fim a doutrinação das massas. Na marcha LGBT deste ano a própria secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade afirmou a estratégia do governo: “(…) não chega só mudar a lei, é necessário ter educação para a cidadania nas escolas”. A educação para a cidadania não é mais do que doutrinar os jovens para a aceitação da ideologia de género. Doutrina-se que é totalmente igual uma pessoa que tem atração pelo sexo oposto e a que tem pelo mesmo sexo. Que tudo o que dá prazer é bom. Fomenta-se a descoberta desordenada da sexualidade, confundem-se as crianças e desconsidera-se o papel dos pais na educação dos filhos por troca do pai Estado.

Na Alemanha o caso Dojan vs Alemanha é revelador deste poder do Estado. O caso remonta à década passada no qual vários casais impediram os seus filhos de participar nas aulas de educação sexual por ir contra as suas crenças cristãs. Os filhos tinham entre 6 e 10 anos. O casal Dojan não queria que a filha de 10 anos participasse numa peça de teatro denominada “O corpo é meu”. Foram condenados. Outro casal também envolvido no caso recusou-se a pagar a multa e foi preso. Considerou o tribunal alemão que o papel do Estado “(…) não é limitado à transmissão de conhecimentos mas também dirigido à criação de cidadãos emancipados e responsáveis (…) evitando a formação de “sociedades paralelas” motivadas por formação religiosa ou ideológica” (pág. 5 – tradução livre). A sentença confirmada em 2011 pelo tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Os sinais estão todos aí e são evidentes. Estão reunidos todos os ingredientes necessários para a implementação da ditadura de pensamento. Foi assim com o nazismo e é assim com o comunismo (que infelizmente ainda mexe). A tentativa de hegemonia de pensamento do grupo dominante sobre os dominados é clara. Não basta votar para dizer que vivemos numa sociedade livre, essa é apenas uma das expressões de liberdade, as restantes estão a ser combatidas pelos promotores da ideologia de género.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Globos de Ouro

Hollywood, a contradição e o ridículo

Bernardo Sacadura
283

A mesma Hollywood que aplaude de pé o discurso de Oprah Winfrey é a que aplaude de pé Roman Polanski, alguém que confessou ter drogado e abusado sexualmente de uma criança de 13 anos. 

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Politicamente Correto

A confusão dos géneros

Gonçalo Forjaz
532

A evolução do acrónimo LGBT é reveladora, crescendo até LGBTQIA e tendo agora fórmula final sugestiva: LGBTQIA+. Ou seja, um zoófilo, um pansexual ou um poliamoroso terão que se limitar à categoria +

Politicamente Correto

Bem-vindos à ditadura do sem /premium

Helena Matos
10.332

Sem sexo. Sem glúten. Sem lactose. Sem nomes. Sem carne. Sem peixe. Sem pai nem mãe. Sem gorduras. Sem cor... Aterrados com o sermos a “favor de” transformámos o quotidiano numa casa de pânico. 

Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)