Rádio Observador

Futebol

A eliminação do Flamengo de Jorge Jesus e o equilíbrio no futebol brasileiro

Autor
  • Orlando E.C. Martins

Como um país continental, o Brasil possui 12 clubes que são considerados gigantes, pois são as equipas mais vencedoras do futebol brasileiro, e que se encontram distribuídas por quatro estados.

Era para ser um momento de festa para o Flamengo, e também para Jorge Jesus, o multicampeão treinador português, principalmente, pois a equipa do Rio tinha grande vantagem na disputa com o Athletico Paranaense, já que havia empatado o primeiro jogo das quartas de final da Taça do Brasil em Curitiba na casa do adversário, e vinha de goleada sobre o Goiás pelo campeonato brasileiro, o que credibilizava a equipa do Rio, como o grande favorito para eliminar o clube paranaense.  Entretanto, o que era para ser uma festa, virou decepção, pois o Flamengo foi eliminado pelo Athlético paranaense  na disputa de grandes penalidades, após os dois jogos terminarem empatados, o que deixou muitas pessoas surpresas aqui em Portugal, pois grande parte das pessoas que gostam de futebol aqui,  consideram o Flamengo como o maior clube brasileiro, no entanto, é importante ressaltar, que apesar de ter muita história e de possuir uma excelente equipa, o Flamengo não é o Barcelona dos trópicos, e  que num país de dimensões continentais, o escrete de Jorge Jesus não reina sozinho.

Detentor de uma grande história e clube de maior torcida do Brasil, o Flamengo é bastante popular, pois possui mais de 40 milhões de torcedores, entretanto, possuir uma grande torcida, não faz do Flamengo o maior clube do Brasil, e consequentemente, já faz algum tempo que a equipa carioca não possui esta condição, que historicamente sempre é ocupada por equipas diferentes. Sendo assim, as equipas do Rio de Janeiro possuem muita tradição e história, entretanto, já faz algum tempo que os clubes da cidade maravilhosa não conseguem ter bom êxito em competições nacionais e internacionais, visto que nos últimos anos, os clubes paulistas, gaúchos e mineiros tem tido mais conquistas nas principais competições do que os clubes cariocas.  Posto isto, acredito que Jorge Jesus pode sim fazer história no Flamengo, e conduzir a equipa do Rio as grandes conquistas.

Como um país continental, o Brasil possui 12 clubes que são considerados gigantes, pois são as  equipas mais vencedoras do futebol brasileiro, e que se encontram distribuídas por quatro estados:  São Paulo; Corinthians; Palmeiras e Santos que representam o estado  de São Paulo; o próprio Flamengo; Vasco, Fluminense e Botafogo que são do estado do  Rio de Janeiro, a dupla Grêmio e Internacional que são da cidade de Porto Alegre no Rio Grande do Sul e a dupla Atlético Mineiro e Cruzeiro, clubes de Belo Horizonte capital de Minas Gerais. Além destes clubes, existe também outras equipas muito fortes em outros estados do país, e que recebem também o status de equipas grandes, pois já foram campeões brasileiros, são eles: o próprio Athletico Parananense; e o Coritiba, ambas equipas do estado do Paraná, o Bahia de Salvador, o Sport do Recife e o Guarani de Campinas no estado de São Paulo. Além destes, várias outras equipas são consideradas médias nacionalmente, mas grandes em seu estado, o que demonstra a força do futebol brasileiro.

Enfim, vencer um torneio no Brasil nunca foi fácil, visto que, além da Taça do Brasil que é bastante difícil, o campeonato brasileiro é considerado um dos torneios mais disputados do mundo, tamanha a imprevisibilidade em saber qual equipa pode ser campeã, como sinalizou o treinador português Sérgio Vieira, que treinou várias equipas no Brasil: “O campeonato Brasileiro é um mundo à parte e extremamente difícil, a começar pela dimensão do país, que tem as dimensões de um continente. Se nas principais ligas europeias existem quatro ou cinco equipas muito fortes, no Brasil há mais do dobro”.[1]

[1] Vieira, S. (2019). Flamengo é um dos melhores do mundo. Jornal Record: Lisboa, pp.22.ediçãoº14.644.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)