Web Summit

A esquerda foi fascista com Le Pen /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
210

O Bloco tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem ela é indiferente. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove.

Numa democracia madura e estável, uma oradora numa conferência não suscita os receios que Marine Le Pen suscitou esta semana em Portugal. Quem teme que Le Pen, nos minutos que lhe fossem concedidos, ameaçasse a saúde do nosso regime tem evidentemente pouca fé no nosso regime – e no bom-senso dos portugueses que a ouvissem. Quero deixar claro: onde Le Pen é eurocética eu sou europeísta; onde Le Pen é protecionista eu sou liberal; onde Le Pen é contra a NATO eu sou atlântista. Ironicamente, aqueles que quiseram impedi-la de falar na Web Summit não podem dizer o mesmo. Partilham – e este boicote demonstrou-o – a sua aversão à diferença de opinião. O Bloco de Esquerda tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem é indiferente que Marine Le Pen cá esteja. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove. E é por isso que é tão importante ouvi-los: para lhes podermos responder.

Estranhei como tanta esquerda se demitiu desse combate. No lugar de desafios para um debate público, apelou-se imediatamente ao silenciar. “O fascismo proíbe-se”, clamou um deputado do PS. A estupidez também? Como é que o primeiro instinto socialista e bloquista é calar e não debater? Têm falta de argumentos ou medo da semelhança entre os seus argumentos e os de Le Pen? Como justificação para o desconvite evocam, imagine-se, o “paradoxo da tolerância” de Karl Popper. Desta vez, não estranhei; tive memória. É verdade que o filósofo advertia para o risco de tolerar os intolerantes – no sentido em que estes ameaçam a sobrevivência dessa mesma tolerância – mas é também verdade que a esquerda não se preocupou nada com a tolerância aos intolerantes quando formou governo apoiada por um partido defensor da União Soviética. Popper, pelos vistos, só merece ser recordado quando Le Pen vem a Portugal – não quando se brinda a Lenine na Assembleia da República.

A esquerda, no entanto, celebra. Marine Le Pen não vem. E a esquerda celebra porque a esquerda não percebe que perdeu; não percebe que quem ganhou foi Marine Le Pen. Em vez de confrontada, pode vitimizar-se; em vez de passar despercebida, como Farage no ano passado, o seu nome foi notícia durante dias a fio. Sugiro, nessa senda, que os senhores da Web Summit convidem Catarina Martins para a vaga agora livre. Depois desta semana, notar-se-iam menos diferenças. A esquerda não foi melhor do que Le Pen.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
294

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)