Web Summit

A esquerda foi fascista com Le Pen /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
210

O Bloco tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem ela é indiferente. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove.

Numa democracia madura e estável, uma oradora numa conferência não suscita os receios que Marine Le Pen suscitou esta semana em Portugal. Quem teme que Le Pen, nos minutos que lhe fossem concedidos, ameaçasse a saúde do nosso regime tem evidentemente pouca fé no nosso regime – e no bom-senso dos portugueses que a ouvissem. Quero deixar claro: onde Le Pen é eurocética eu sou europeísta; onde Le Pen é protecionista eu sou liberal; onde Le Pen é contra a NATO eu sou atlântista. Ironicamente, aqueles que quiseram impedi-la de falar na Web Summit não podem dizer o mesmo. Partilham – e este boicote demonstrou-o – a sua aversão à diferença de opinião. O Bloco de Esquerda tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem é indiferente que Marine Le Pen cá esteja. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove. E é por isso que é tão importante ouvi-los: para lhes podermos responder.

Estranhei como tanta esquerda se demitiu desse combate. No lugar de desafios para um debate público, apelou-se imediatamente ao silenciar. “O fascismo proíbe-se”, clamou um deputado do PS. A estupidez também? Como é que o primeiro instinto socialista e bloquista é calar e não debater? Têm falta de argumentos ou medo da semelhança entre os seus argumentos e os de Le Pen? Como justificação para o desconvite evocam, imagine-se, o “paradoxo da tolerância” de Karl Popper. Desta vez, não estranhei; tive memória. É verdade que o filósofo advertia para o risco de tolerar os intolerantes – no sentido em que estes ameaçam a sobrevivência dessa mesma tolerância – mas é também verdade que a esquerda não se preocupou nada com a tolerância aos intolerantes quando formou governo apoiada por um partido defensor da União Soviética. Popper, pelos vistos, só merece ser recordado quando Le Pen vem a Portugal – não quando se brinda a Lenine na Assembleia da República.

A esquerda, no entanto, celebra. Marine Le Pen não vem. E a esquerda celebra porque a esquerda não percebe que perdeu; não percebe que quem ganhou foi Marine Le Pen. Em vez de confrontada, pode vitimizar-se; em vez de passar despercebida, como Farage no ano passado, o seu nome foi notícia durante dias a fio. Sugiro, nessa senda, que os senhores da Web Summit convidem Catarina Martins para a vaga agora livre. Depois desta semana, notar-se-iam menos diferenças. A esquerda não foi melhor do que Le Pen.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

2019 e a natureza das revoluções /premium

Sebastião Bugalho

Em 2015 Portugal saiu das legislativas num clima “polarizado” e “crispado”. Quatro anos depois todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à direita, acabaram a aprovar as metas de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)