Rádio Observador

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Autor
616

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

O presidente da república convidou-o e João Miguel Tavares discursou mesmo nas cerimónias do 10 de Junho. Perante isto, era possível prever certas reacções, mas que, de tão caricaturais, talvez fossem improváveis. Sucede que, como João Miguel Tavares mostrou ontem, nada, por mais caricatural, é já improvável.

João Miguel Tavares não é professor catedrático. Mas certamente que ninguém se atreveria a dizer que, por causa disso, não tinha direito de falar nas cerimónias do 10 de Junho. Seria ridiculamente snob. Acontece que se atreveram.

João Miguel Tavares não tem reputação de “homem de esquerda”. Mas certamente que ninguém ousaria dizer que, só por isso, era um “fascista”. Seria facciosismo a mais. Acontece que ousaram.

João Miguel Tavares falou, no dia 10 de Junho, de desigualdade e mobilidade social. Certamente que ninguém se lembraria de dizer que, por essa razão, era “populista”. Seria obviamente absurdo. Acontece que se lembraram.

Nada disso foi dito apenas por anónimos nas redes sociais, onde, quando é preciso, descobrimos sempre quem diga tudo. Os exemplos coleccionados por João Miguel Tavares foram proporcionados por “figuras públicas”, isto é, pessoas que opinam nas varandas televisivas do regime, e cujas caras são vagamente familiares ao cidadão que faz zapping.

João Miguel Tavares aproveitou naturalmente esta explosão de preconceitos para declarar que a tese do seu discurso estava demonstrada: as elites portuguesas não gostam de caras novas, a não ser que “legitimadas” pelas origens sociais, diplomas ou opiniões correctas. É verdade. Mas quando disse que o caso prova que a “grande divisão da sociedade portuguesa não é entre esquerda e direita”, mas “entre os legítimos e os ilegítimos”, talvez não tenha acertado tanto.

É que o seu caso demonstra também outra coisa: que a esquerda é, hoje, essencial para que certos preconceitos possam ser manejados em público. Todas as “figuras públicas” citadas por João Miguel Tavares reclamam ser de “esquerda”. E isso não se deveu apenas ao facto de ele ser visto como homem de direita. Se João Miguel Tavares fosse um “homem de esquerda”, a sua escolha ou o seu discurso teriam talvez sido criticados pelo outro lado. Mas é improvável que tivesse sido desqualificado desta maneira por “figuras públicas” da direita. Porque a direita é um poço de virtudes? Não, mas porque uma “figura pública” de direita que cedesse à tentação de ser publicamente snob e exclusivista nesses termos seria, sem demora, queimada enquanto tal.

Só “figuras públicas” de esquerda podem ser snobs e exclusivistas ou, quando calha, também racistas e homofóbicas, como vimos perante o “escurinho” do FMI ou Adolfo Mesquita Nunes. Reparem: não estou a dizer que esse tipo de preconceitos não exista à direita. Estou a dizer que apenas “figuras públicas” de esquerda, devido ao monopólio que a esquerda reclama da igualdade e da tolerância, têm hoje cobertura para exibir esse segregacionismo em público sem serem sancionadas por isso. A esquerda pode permitir-se, com toda a impunidade, ser snob, racista ou homofóbica, porque se presume que a esquerda, só por ser a esquerda, nunca é snob, racista ou homofóbica.

A divisão entre “legítimos” e “ilegítimos” está assim articulada com a divisão entre a esquerda e a direita, na medida em que apenas à esquerda — e em nome da esquerda — é possível hoje exercer publicamente o regime de preconceito e de exclusão que mantem fronteiras e separa esferas na sociedade portuguesa. Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. Hoje, essa função social é da esquerda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.256

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

10 de junho

Um discurso sobre a união do Estado /premium

Alberto Gonçalves
816

Não tenho a certeza de que proferir umas verdades na cara da “casta”, a convite desta, sirva para incomodá-la ou avalizá-la. Ignoro se a ligeira heresia de JMT ajudou a legitimar um regime medíocre. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)