Rádio Observador

II Guerra Mundial

A hora mais trágica

Autor
133

Ao contrário do que sugere o filme A Hora Mais Negra, a decisão britânica de continuar a guerra em 1940 não foi o resultado de sondagens de opinião, mas de uma liderança que "caminhava com o destino".

A Hora mais negra, que agora anda pelos cinemas à espera de um Óscar para Gary Oldman, não é um documentário histórico, mas apenas um filme, e, como filme, pouco mais do que estimável. Mas como será visto por muito mais gente do que aquela que alguma vez há-de ler Maurice Cowling (The Impact of Hitler), John Charmley (Chamberlain and the Lost Peace), Andrew Roberts (Eminent Churchillians) ou Graham Stewart (Burying Caesar), talvez justifique algumas reflexões. Porque a Primavera de 1940 não foi apenas a origem da lenda de Churchill, mas um dos momentos que definiu o mundo contemporâneo.

Para a elite inglesa, tratava-se de saber se fazia sentido continuar a guerra, depois de Hitler ter subjugado quase toda a Europa ocidental. O filme faz, como é costume, depender a decisão de Churchill. Ao contrário do costume, porém, sugere que não foi fácil. Churchill ainda não era um herói, mas apenas um político desacreditado por trapalhadas e deslealdades. Há porém dois equívocos que o filme mantém. Ao contrário do que parece sugerir, Chamberlain e Halifax, os contrapontos de Churchill, não estavam simplesmente intimidados pelo poderio da Alemanha, nem Churchill alguma vez poderia ter apelado, para desfazer as dúvidas da elite, a uma qualquer opinião popular (que a elite concebia, aliás, como algo relevante, mas controlável através de propaganda e de administração).

Winston Churchill com Neville Chamberlain, primeiro ministro inglês entre 1937 e 1940.

Chamberlain e Churchill, cuja rivalidade prolongava a dos respectivos pais, ficaram como o contrário um do outro. Mas Churchill nunca poderia ter sido primeiro-ministro sem o apoio de Chamberlain (mais decisivo do que o do rei ou dos passageiros do metro no filme). Essa é a chave desta história. Os conservadores tinham conseguido salvar o Reino Unido da ruína da I Guerra Mundial e do colapso da ordem mundial a partir de 1929. Chamberlain, porém, sabia que mais uma grande guerra europeia, fosse qual fosse o seu desfecho, comprometeria de vez o Império Britânico e a ascendência conservadora na Grã-Bretanha. Por isso, tentara tudo para evitar uma guerra.

Churchill, um feroz imperialista e anti-socialista, não era menos apegado ao mundo conservador. Mas estava convicto de que a Inglaterra não podia tolerar um continente dominado pela Alemanha. De facto, Chamberlain pensava o mesmo. Por isso, declarara guerra em 1939, quando se tornou claro que era impossível negociar com Hitler, entretanto reforçado com a aliança da União Soviética. Em 1940, Chamberlain não cedeu por causa da retórica ou de outros apoios de Churchill, mas porque sabia que o seu rival estava certo: era impossível ao Reino Unido aceitar a situação de um Estado cliente da revolução nazi, sem negar tudo aquilo em que, enquanto conservadores, ambos acreditavam.

Gary Oldman como Winston Churchill em A Hora Mais Negra.

A continuação da guerra não foi o resultado de sondagens de opinião, mas da afirmação de uma liderança. Em 1940, Churchill não disse que se sentia em sintonia com a opinião popular, ao contrário do que o filme sugere, mas a “caminhar com o destino”, isto é, com a interpretação providencialista que um grande aristocrata como ele tinha da história do Reino Unido e do seu Império. Para Churchill, aquela era uma batalha que a elite conservadora não podia evitar, custasse o que custasse.

A hora mais negra não foi apenas um momento difícil. Foi a hora mais trágica. Chamberlain estava certo: os conservadores perderam o poder em 1945, e quando voltaram, em 1951, já não havia Índia e as grandes indústrias tinham sido nacionalizadas. O mundo imperial e conservador de Churchill e de Chamberlain desaparecera, e não o devemos confundir com o “atlanticismo” da Guerra Fria. Mas ao sacrificar esse mundo na resistência contra Hitler, Churchill conseguiu isto: associar o velho espírito da liberdade conservadora a um momento de heroísmo, e assim fazer passar esse espírito, transfigurado e desamarrado da sociedade que o cultivara, para o novo mundo – um mundo que já não o percebe, mas ainda o sente, pelo menos numa sala de cinema.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

II Guerra Mundial

D-Day: 75 anos depois /premium

João Carlos Espada

É desejável que a legítima crítica a Donald Trump não traga de volta o profundo anti-americanismo que dominou no século XX largos sectores da esquerda e da direita anti-democráticas na Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)